ASSINE
É publicitário e escreve sobre suas experiência em Portugal, com foco em consumo e sustentabilidade. Escreve quinzenalmente, às sextas-feiras

Portugal vive último momento do isolamento, mas é preciso atenção

País começa a liberar as atividades de forma gradual, mas governo português necessita ficar atento para não cometer os mesmos erros do passado

Publicado em 26/03/2021 às 02h00
Atualizado em 26/03/2021 às 02h01
Praça do Rossio, em Portugal
Portugal iniciou plano de saída do confinamento na última semana. Crédito: Shutterstock

Em meio à explosão de casos da Covid-19 na Europa e diante de uma terceira onda, Portugal começa a reverter o confinamento de forma gradual. A nova onda que havia atingido Portugal em fevereiro, fazendo do país o líder mundial de contaminados, iniciou seu plano de saída do confinamento na última semana, com a volta das creches, escolas do ensino básico e fundamental e do pequeno comércio de rua. Entretanto, só começará para valer mesmo após a Semana Santa, período em que os portugueses ainda terão muitas restrições para se deslocarem de um município para o outro.

Após esse período, ainda em abril, retornarão as escolas do ensino médio e superior, restaurantes e cafés com áreas externas, comércio de porte médio, museus e atividades esportivas de baixo impacto. E a partir de 3 de maio serão liberados os shoppings, comércio de grande porte, atividades esportivas, cinemas e teatros. Outra questão importante é a questão do fluxo de pessoas entrando em Portugal. Os voos para o Brasil, por exemplo, estão suspensos até o final deste mês.

O que não quer dizer que a partir de então serão liberados, pois o agravamento da pandemia no Brasil dificulta a liberação de voos comerciais entre os dois países. Outra questão é a liberação da fronteira. Portugal só faz fronteira com a Espanha e a situação no país vizinho ainda não é estável. Por fim, também não está claro quando será a volta do público aos eventos esportivos, shows e eventos em ambientes fechados.

É preciso total atenção a este último momento do isolamento. No ano passado, o governo português errou ao não agir a tempo, ou mesmo em não interromper o crescimento dos números de casos após a última etapa do desconfinamento. O governo necessita ficar atento para não cometer os mesmos erros do passado e não enviar sinalizações equivocadas para a população.

Agora, se tudo der certo, o que irá acontecer com a economia portuguesa? É claro que existe um fator decisivo para a recuperação econômica que é a vacinação, que por sinal, anda muito lenta aqui na Europa. Portugal encontra-se ligeiramente acima da média europeia com pouco mais de 11% da população vacinada com pelo menos uma dose. Do ponto de vista econômico, a situação também é difícil. Segundo o relatório da Informa D&B, estima-se que uma em cada quatro empresas portuguesas não tem capacidade financeira para enfrentar a crise.

Se o plano de vacinação acelerar nos dois próximos meses, é bem possível uma pequena recuperação do segmento do turismo já no próximo verão. Entretanto, não basta Portugal fazer bem o seu dever de casa, é preciso que de alguma forma os países próximos também estejam bem para que o fluxo turístico seja restabelecido. De momento, somente a Inglaterra demonstra ter algum fôlego para isso, embora o governo tenha recomendado expressamente aos ingleses a não viajarem na Páscoa. Por isso, toda prudência é pouca.

*Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta

A Gazeta integra o

Saiba mais
Portugal Europa Coronavírus Covid-19 portugal Pandemia

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.