ASSINE
Aquiles Reis é músico e vocalista do MPB4. Nascido em Niterói, em 1948, viu a música correr em suas veias em 1965, quando o grupo se profissionalizou. Há quinze anos Aquiles passou a escrever sobre música em jornais. Neste mesmo período, lançou o livro "O Gogó de Aquiles" (Editora A Girafa)

Zé Guilherme abre os braços para a música em EP de estreia

"Zé" chega às plataformas digitais com seis canções que sintetizam a diversidade da música popular brasileira

Publicado em 07/12/2021 às 15h55
Capa do EP
Capa do EP "Zé", do músico Zé Guilherme. Crédito: Divulgação

O que determina a miscigenação de um povo? Seria a identidade da cultura que o caracteriza? Ou a música que se faz e toda gente canta? Prosaica indagação (vinda de um curioso) que me veio à cabeça ao ouvir o trabalho do juazeirense Zé Guilherme, cantor e compositor radicado em São Paulo.

Zé é o título de seu primeiro EP (independente). Pronto para ser lançado ainda no mês de novembro de 2021, Zé Guilherme chega ao mercado após quatro álbuns e cinco singles. O álbum Zé é formado por seis composições autorais de estilos variados, do pop ao maracatu, passando pelo samba e pelo xote. Elas bem representam a trajetória de Zé Guilherme desde Recipiente (2000) até Alumia (2018), que o consolidou como compositor.

O parágrafo anterior foi praticamente tirado do release e me chamou a atenção sobre miscigenação. Pois não só Zé Guilherme como inúmeros outros compositores vêm pro Sul trazendo a cara, a coragem e um violão no matulão, cujo cadeado é um nó (como bem disse Gonzagão em “Pau-de-arara”).

A música de Zé Guilherme espelha a sua vida. Suas raízes nordestinas vieram para São Paulo com ele, aqui encontrando o calor de uma metrópole que por si só é significado e sinônimo da própria miscelânea: São Paulo, capital miscigenação.

Este vídeo pode te interessar

Seu novo trabalho tem produção musical e arranjos assinados por Cezinha Oliveira, responsável também pela gravação e pela mixagem do disco. Cezinha é um reforço considerável para vestir múltiplos gêneros de ritmos universais.

Outra participação ajustada aos conceitos das músicas sem fronteiras é a de Luana Mascari, cantora, compositora, pianista, ukulelista e educadora musical, natural de Caraguatatuba (SP). Bela voz.

“Marcas” (Zé e Mario Tommaso) abre a tampa. Segundo Zé, “A canção pop celebra uma noite de amor” – danadinho!

“Meu Querer” é uma canção de Zé que remete à sua raiz cultural nordestina. De refrão marcante, trata do desejo de ter por perto a pessoa amada. Ah, o amor!

Os resquícios de nostalgia do samba inédito “Esperar” (ZG e Filipe Flakes), com sua levada tradicional, falam de uma madrugada triste. Vixe!

Zé, Luana e Cezinha formam o tripé que traz música ao coração dos que a têm como bússola: conhecer para se identificar. Para tanto, lá estão os instrumentistas Jonas Dantas (piano), Cezinha Oliveira (violão, baixo elétrico e guitarra), Ivan Alves (bateria e percussão), Denilson Martins (clarinete, sax soprano e flautas) e Luque Barros (violão de 7 cordas).

Sob os auspícios de Zé Guilherme, todos caem dentro de xotes, sambas, pop, maracatus, cirandas, enquanto São Paulo, pouso atual de Zé, recebe-o com curiosa afeição e brilho nos olhos.

Assim a fortuna da música popular brasileira tem à sua frente todo um conjunto de divisões rítmicas e harmonias características, prontas para (re)nascer. Ainda mais com um grupo como o que Zé ajuntou.

Mais: com sua força vocal e composicional, Zé Guilherme sintetiza a diversidade da música popular brasileira.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.