ASSINE
Aquiles Reis é músico e vocalista do MPB4. Nascido em Niterói, em 1948, viu a música correr em suas veias em 1965, quando o grupo se profissionalizou. Há quinze anos Aquiles passou a escrever sobre música em jornais. Neste mesmo período, lançou o livro "O Gogó de Aquiles" (Editora A Girafa)

"Histórias Urbanas", de Newton Lima, é simples e bonito

Disco tem todos os requisitos que um bom álbum de samba requer

Publicado em 23/03/2021 às 14h00
Atualizado em 23/03/2021 às 14h01
Capa do disco
Capa do disco "Histórias Urbanas", de Newton Lima. Crédito: Divulgação

Samba bom tem de subir à cabeça, descer pelo coração e desaguar nos pés. Um bom samba tem de ter belos versos. Por isso, louvo os baluartes do samba, que enfrentaram feroz negação do gênero no século passado. E louvo também os jovens que amam o samba.

Para fazer samba, é fundamental ter tamborim, cuíca, pandeiro, surdo, agogô e coro, de preferência feminino. Samba, para ser ainda mais belo, tem de vir embalado em tom menor. Samba quente é o que tem ritmistas de responsa.

Enfim, o suingue do samba tem de ter balanço, como em "Histórias Urbanas" (independente - 2017), álbum do poeta, cantor e compositor Newton Lima. Ele demonstra que o samba está entranhado em sua vida. Todos os arranjos e as músicas, grande parte em tom menor, são de sua autoria.

Para o bom desempenho dos arranjos (dez de Marília Carvalho, um de Daniel Pitanga e outro do próprio Newton Lima, ele que também produziu o álbum), há apenas três ritmistas: Juninho Alvarenga, Paulinho Félix e Valerinho Xavier. O trio soa como se fosse a bateria inteira da Mangueira.

Valerinho Xavier (técnico de gravação e mixagem) e James Castro (masterização) cuidam do som com sabedoria. O resultado é digno dos que curtem a música brasileira em geral, e o samba em particular.

Por falar em dignidade, o coro feminino com Cris Pereira, Clara Nogueira e Marília Carvalho é supimpa. Coisa de profissa.

A flauta (Marília Carvalho) tem destaque em grande parte dos arranjos. Aliás, quando a clarineta (Kaçulinha) e o sax (João Oswald) se ajuntam a ela, a parada é sinistra.

E por falar em profissa, fica claro que assim são George Costa (violão de seis cordas), Vinícius Magalhães (violão de sete), Pedro Molusco (cavaquinho) e Victor Angeleas (bandolim). Dentre outros, chamo atenção para fragmentos de alguns arranjos:

  • “Histórias Urbanas” é um samba quente, que abre o CD com intro da flauta.
  • “Nossa Trilha” abre com a cuíca; violão, clarinete e flauta desenham.
  • “Dança de Amar” abre com voz e tamborim. Ao entrarem, ritmo e sete cordas arrepiam.
  • “O Último Dia de Um Carnaval” tem intro magistral, que traz uma marcha rancho. O trombone (Adil Silva) lidera o naipe, com flauta, sax e clarinete.
  • “Forró da Urbana” abre com o pandeiro. Mais uma vez o suingue impressiona, o coro feminino arredonda e o arranjo vem com compassos quebrados e repetidos.
  • “Fantasma do Amor” vem com a voz de Lima, a capella, e a cuíca chorando. A melodia tem desenho harmônico decrescente e profundamente belo. O bandolim improvisa no intermezzo. Eita samba lindo, meu Deus! Emocionado, finjo que não é comigo e choro baixinho.
  • “A Nossa Canção”, como algumas outras, tem a melodia em tom menor, descendo e emocionando. O sete vem com tudo e arrasa.
  • “Veneno do Choro” fecha a tampa. Tamborim e o sete iniciam. Um improviso do sax traz simplicidade ao samba tão bonito quanto simples.

Pressinto que Newton Lima tem em seus sambas uma magia: ter reconhecida sua autoria, graças apenas ao sorriso estampado no rosto de quem os ouve.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.