A Gazeta - xtqqvm52yer

Chafariz na sede da Assembleia Legislativa do ES? Acredite, já teve

No curto período em que operou após a inauguração da atual sede em março de 2000, o equipamento mais causou problemas do que funcionou de fato. A Casa Legislativa segue funcionando, já o equipamento teve outro fim

Tempo de leitura: 4min
Vitória
Publicado em 16/05/2023 às 13h59

Em 16 de março de 2000 foi inaugurado o atual prédio da Assembleia Legislativa do Espírito Santo. Junto a ele, bem ao lado da escadaria da entrada principal da Casa, um belo e imponente chafariz adornava a fachada da sede do Poder Legislativo capixaba. Só que o jorrar das águas e as cascatas duraram pouco tempo.  Mas, afinal, o que aconteceu com a estrutura? Por qual motivo ela foi desativada? A reportagem de A Gazeta foi atrás de respostas.

Tudo começou em 1993, ano em que foi iniciada a construção da atual sede da Assembleia. Localizado em um dos bairros nobres de Vitória, a Enseada do Suá, o edifício, muito mais robusto que o antigo prédio do Legislativo estadual — que ficava no Centro de Vitória, em um local onde hoje funciona o Palácio da Cultura Sônia Cabral — dava o primeiro passo rumo à modernização da estrutura e serviços.

Dez anos após o início da construção da atual sede da Ales, o maquinário do chafariz foi desativado por determinação do então presidente da Casa, o deputado estadual Cláudio Vereza. O motivo? A estrutura e o espelho d’água passaram, com o tempo, a causar problemas de infiltrações na garagem do prédio. Em entrevista para o jornal A Gazeta em setembro de 2007, o parlamentar deu mais detalhes sobre a decisão.

Cláudio Vereza

Presidente da Ales (2003-2005)

"Tivemos muitos problemas de vazamento. Como os lagos eram suspensos, a água descia toda para a garagem. Era um custo alto com manutenção. Fizemos um estudo para transformar aquela área em um jardim, mas como ia ficar caro, resolvemos deixar para lá"

À época, o jornal noticiou que a aparelhagem desativada em 2003 estava avaliada em aproximadamente R$ 320 mil. Eram quatro bombas, com potências que variavam de 20 a 30 cavalos, além de quatro filtros que juntos conseguiam filtrar pelo menos 200 mil litros de água. A máquina também possuía 19 registros feitos em bronze, avaliados em R$ 2,5 mil cada, e um painel de controle.

Solenidade de inauguração da nova sede da Ales em 16 de março de 2000 contou com uma cascata e espelho d'água iluminados e imponentes. O chafariz, entretanto, teve vida curta e causou muitos problemas no edifício. Crédito: Chico Guedes | Cedoc A Gazeta
Solenidade de inauguração da nova sede da Ales em 16 de março de 2000 contou com uma cascata e espelho d'água iluminados e imponentes. O chafariz, entretanto, teve vida curta e causou muitos problemas no edifício. Crédito: Chico Guedes | Cedoc A Gazeta

Vistorias constantes

Com a série de bombas, filtros e tubulações parados em um pequeno quarto — uma espécie de porão — na garagem do prédio da Ales, era necessária uma manutenção frequente para evitar que o material se deteriorasse pela ferrugem. Por isso, ao menos uma vez por semana, um mecânico ia até o local para vistoriar os equipamentos.

“O mecânico sempre vem aqui, gira os registros, liga o motor. Mas não podemos deixar ligado muito tempo porque não tem água. Mas sempre colocamos a máquina para funcionar, porque, se ficar parada, ela vai estragar”, disse o então supervisor do setor de manutenção e conservação da Casa na época, Renato Cavalcanti, ao jornal A Gazeta.

Na tentativa de dar uma utilidade aos equipamentos, o supervisor chegou a solicitar um parecer da Procuradoria-Geral da Ales para saber como e se seria possível doá-los para algum órgão do Estado que realmente utilizaria as máquinas. Na época, o Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) se mostrou interessado nas bombas.

No entanto, segundo a Diretoria de Infraestrutura e Logística da Casa — setor responsável pela manutenção e também por equipamentos da Ales — atualmente a aparelhagem permanece na garagem da Assembleia.

Chafariz
Local onde funcionava o antigo chafariz da Ales, desativado após problemas de infiltração. Crédito: Carlos Alberto Silva

Espelho d’água pode virar jardim

A matéria de setembro de 2007 do jornal A Gazeta chegou a noticiar, à época, que havia um projeto na Casa que previa o melhor uso da área externa da Assembleia. A ideia era transformar o antigo espelho d’água em um jardim, visto que ninguém pensava em reativar as cascatas e os lagos, já que isso implicaria em gastos com água e energia elétrica.

Apesar de não ter ido para frente desde então, o projeto pode estar prestes a se concretizar. A reportagem entrou em contato com a Assembleia que informou, por meio da Secretaria de Comunicação Social, que o atual presidente, o deputado estadual Marcelo Santos, tem planos de transformar o espelho d’água em um jardim.

Estação de bombas e filtros do inativo chafariz da Ales
Estação de bombas e filtros do inativo chafariz da sede da Assembleia Legislativa do Espírito Santo. Crédito: Edson Chagas | Cedoc A Gazeta

Além disso, de acordo com o diretor de Infraestrutura e Logística da Casa, Sérgio de Sá, já foram realizados cálculos estruturais no local onde funcionava o chafariz. Segundo ele, em breve será aberto um processo de contratação da empresa que ficará a cargo da construção do futuro jardim.

“Nosso foco é dar uso para o espaço onde funcionava o espelho d’água. Por isso, já foi feito um cálculo estrutural para ver se a laje suportaria a carga do jardim [as terras e as plantas]. O cálculo apontou que é sim possível instalar um jardim naquele espaço”, concluiu o diretor.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espirito Santo.