ASSINE

Líder do governo nega relação pessoal com dono da Precisa

Ricardo Barros teria sido citado por Bolsonaro como possível envolvido em irregularidades na compra da Covaxin e presta depoimento à CPI nesta quinta-feira (12)

Publicado em 12/08/2021 às 14h46
O líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR) disse que no encontro com Bolsonaro, o deputado Luis Miranda levou cópias de reportagens sobre o suposto envolvimento em contratos firmados com a empresa Global Saúde.
O líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR) disse que no encontro com Bolsonaro, o deputado Luis Miranda levou cópias de reportagens sobre o suposto envolvimento em contratos firmados com a empresa Global Saúde. Crédito: Pedro França/Agência Senado

O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), negou nesta quinta-feira (12) que tenha qualquer relação pessoal com Francisco Maximiano, sócio da Precisa Medicamentos, que negociou contrato para a venda da vacina Covaxin ao governo, e também da empresa Global, que aplicou calote no Ministério da Saúde quando o deputado era ministro.

Barros foi questionado pelo pagamento antecipado, quando era ministro, de R$ 20 milhões para a Global, que acabou não cumprindo o contrato e o cronograma de entrega de documentos para doenças raras. A Global é do mesmo grupo da Precisa Medicamentos.

O parlamentar afirmou que o pagamento era legal, pois há uma portaria que prevê essa prática em casos envolvendo decisões judiciais. Barros também afirmou não ter responsabilidade pela morte de pacientes portadores dessas doenças.

"Não se relacionam as mortes com a falta dos medicamentos. Fomos a 400 pessoas que tinham liminar e muitas foram a óbito mesmo com o medicamento. Eles [medicamentos] não curam, apenas melhoram a qualidade de vida", afirmou.

Em relação à negociação para compra da vacina Covaxin, Barros afirmou que não participou do processo e nem mesmo foi procurado por representantes da empresa.

"Em nenhum momento ninguém ligado a esse laboratório me procurou para auxiliar na venda de vacinas para o Brasil, que é um objetivo de todos nós. Mas nesse caso nunca fui procurado", disse.

O líder do governo também foi questionado sobre a tentativa de receber novamente pagamento antecipado, respondendo que deve ser o "modus operandi da empresa", porque tentou em mais de uma gestão no Ministério da Saúde.

VACINAS APROVADAS NA ÍNDIA

Durante depoimento na CPI da Covid, o deputado federal Ricardo Barros (PP-PR) foi questionado por que apresentou emenda em um projeto de lei para que vacinas aprovadas na Índia fossem também aceitas no Brasil.

Barros negou que a emenda visasse a favorecer a vacina indiana Covaxin, intermediada pela Precisa Medicamentos.

"Fiz a proposição porque a Índia é a maior fabricante de vacinas no mundo, para que os estudos [clínicos feitos lá pudessem ser aproveitados pela Anvisa e pelo governo federal", disse.

Em seguida, disse que não incluiu autoridades sanitárias de outros países na emenda, porque outros parlamentares já haviam feito isso.

"Eu nem sabia que a Precisa representava a Covaxin no momento da apresentação da emenda", disse

"Vocês não vão encontrar nada de ligação minha com a Covaxin. Podem continuar procurando", completou.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.