ASSINE

Em campanha do governo, Bolsonaro conversa com cidadãos fictícios

Pessoas que aparecem na propaganda como brasileiros do Ceará ou do Rio Grande do Norte, são, na verdade, fotos de catálogo internacional

Publicado em 01/07/2020 às 17h08
Atualizado em 01/07/2020 às 17h08

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) divulgou nesta quarta-feira (1º) uma propaganda em que ele conversa, por telefone, com populares cujos rostos estão disponíveis em bancos de imagens. Uma das fotos, inclusive, já ilustrou outra campanha do governo.

Propaganda do governo divulgada por Bolsonaro tem imagens de pessoas de banco de imagens, fazendo parecer que são brasileiros que conversam com ele
Propaganda do governo divulgada por Bolsonaro tem imagens de pessoas de banco de imagens, fazendo parecer que são brasileiros que conversam com ele. Crédito: Reprodução/Twitter

A Secom (Secretaria Especial de Comunicação) ainda não respondeu à reportagem sobre a campanha publicada pelo presidente.

Quando "Dona Maria Eulina", de Penaforte (CE), pergunta como está a transposição do rio São Francisco em seu estado, aparece a foto de um sorridente senhora que, no site iStock, está sob a legenda "Mulher idosa feliz que sorri feliz na idade adulta - Imagem em Alta Resolução" e pode ser adquirida por R$ 45.

A campanha cita obras tocadas pelo Executivo federal.

"Governo federal: milhares de obras e ações por todo o país. Você fala com o governo, o governo fala com o Brasil", diz o vídeo, que estimula o espectador a mandar vídeos pelo Whatsapp.

Depois de "Dona Maria Eulina", quem pergunta é "Francisco Valmar", de Parnamirim (RN), que questiona se há "alguma notícia boa" em relação a trem urbano. A foto que aparece está no Shutterstock sob a legenda "retrato de trabalhador na fábrica no fundo" e, segundo o site, pode ser baixada gratuitamente.

Imagem de homem faz parte de banco de imagens internacional. Em propaganda do governo Bolsoanaro, ele aparece como
Imagem de homem faz parte de banco de imagens internacional. Em propaganda do governo Bolsoanaro, ele aparece como "Francisco Valmar", de Parnamirim (RN). Crédito: Reprodução/Shutterstock

O "trabalhador na fábrica no fundo" já estrelou outra campanha do governo, "O Brasil não pode parar", criada pela Presidência em março para respaldar o discurso de Bolsonaro de reabertura do comércio.

À época, a AGU (Advocacia-Geralda União) citou nota técnica da Secom que afirmava que o vídeo vazado era uma peça "meramente experimental e não aprovada", sem custos aos cofres públicos.

A peça foi posteriormente vetada pelo ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal). O ministro decidiu "vedar a produção e circulação, por qualquer meio, de qualquer campanha que pregue que 'O Brasil Não Pode Parar' ou que sugira que a população deve retornar às suas atividades plenas, ou, ainda, que expresse que a pandemia constitui evento de diminuta gravidade para a saúde e a vida da população".

Segundo ele, a supressão das medidas de distanciamento social, propagadas pela publicidade elaborada no governo, colocaria em risco a vida, a segurança e a saúde da população, direitos que a Corte tem o dever de tutelar.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.