ASSINE
Oferecimento:
Modo de Visualização:

Após driblar manifestantes em hotel, Bolsonaro come pizza na calçada em NY

O grupo está na cidade para participar da Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU). As regras nova-iorquinas estabelecem que restaurantes confiram se os clientes estão vacinados contra a Covid-19 antes de atendê-los em espaços internos

Publicado em 20/09/2021 às 09h36
Presidente Jair Bolsonaro e comitiva comem pizza na calçada de NY
Presidente Jair Bolsonaro e comitiva comem pizza na calçada de NY. Crédito: Reprodução/ Twitter

Depois de entrar pela porta dos fundos do Hotel Intercontinental Barclay, em Nova York, para driblar manifestantes contrários, o presidente da República, Jair Bolsonaro, aproveitou a noite do domingo (19) para comer pizza na calçada de um restaurante próximo ao local em que está hospedado. A pizzaria não possui espaço interno para refeições. Os clientes fazem os pedidos no balcão e retiram os produtos para viagem. No jantar, Bolsonaro esteve acompanhado de parte da comitiva que o acompanha na viagem.

O grupo está na cidade para participar da Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU).

As imagens do presidente e seus auxiliares comendo pizza na calçada foram publicadas pelo ministro do Luiz Ramos e por outros membros da comitiva, nas redes sociais.

Além dele, também participaram do jantar o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, o ministro da Justiça, Anderson Torres, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, e chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Luiz Eduardo Ramos.

EXIGÊNCIA DE VACINAÇÃO

As regras nova-iorquinas estabelecem que restaurantes da cidade confiram se os clientes estão vacinados contra a Covid-19 antes de atendê-los em espaços internos. Ao comer na rua, Bolsonaro - que tem repetido que só será imunizado depois que todos os brasileiros tenham recebido a vacina - evitou a exigência.

Não é a primeira vez que Bolsonaro escolhe lugares populares para suas refeições durante viagens oficiais. Em sua primeira missão internacional, em janeiro de 2019, durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos, presidente almoçou no restaurante de um supermercado local.

Horas antes do jantar na calçada, alguns poucos manifestantes contra o governo aguardavam o presidente brasileiro com faixas na porta do hotel. Não havia apoiadores do presidente no local.

Em 2019, última vez que esteve em Nova York para participar presencialmente da Assembleia-Geral, Bolsonaro encontrou à sua espera manifestantes a favor e contra seu governo. Na ocasião, ele entrou pela porta da frente do hotel.

A outros hóspedes que entravam no hotel, o pequeno grupo de manifestantes gritava em português e inglês: "Bolsonaro genocida" e "criminoso".

O avião presidencial pousou em Nova York às 16h30 do horário local. Diplomatas e seguranças esperavam o presidente na entrada, mas informaram à imprensa já perto das 18 horas que a comitiva presidencial havia entrado por uma porta traseira por determinação do Serviço Secreto americano.

Bolsonaro fará o discurso de abertura da Assembleia-Geral da ONU na terça-feira, 21. Nesta segunda-feira, ele se reúne com o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.