ASSINE
Autor(a) Convidado(a)
É jornalista e especialista em Marketing Político e Comunicação para o setor público

O desafio da comunicação na vacinação dos jovens

Como convencer esses jovens de uma forma eficaz, direta e simpática de que é necessário tomar a vacina para assim acabarmos logo com a pandemia?

Publicado em 15/09/2021 às 02h00
Jovens em mutirão em Linhares
Jovens em mutirão de vacinação em Linhares. Crédito: Vinicius Zagoto

vacinação dos brasileiros contra a Covid-19 vai alcançando dados substanciais ao menos na primeira dose. No momento em que este artigo é publicado, dados do Ministério da Saúde apontam que 85% da população elegível para a vacina recebeu a primeira dose enquanto 44% estão com o esquema vacinal completo, ou seja, receberam as duas doses ou aplicação única no caso da Janssen.

Neste estágio, as cidades e Estados estão vacinando na dose inicial os adolescentes e, aparentemente, sofrem dificuldades em convencer essa parcela da população a se imunizar. Na capital paulista, por exemplo, apenas 13% dos jovens haviam recebido o imunizante em uma semana de campanha. A prefeitura paulistana anunciou, inclusive, uma busca ativa em unidades de ensino municipais e instituições em busca desse público.

Eis a importância e o desafio para os profissionais de comunicação do setor público. Como convencer esses jovens de uma forma eficaz, direta e simpática de que é necessário tomar vacina para assim acabarmos logo com a pandemia?

Algumas prefeituras e governos estaduais recorrem às peças de propaganda com linguagem moderna, visual atraente e uso de expressões e de produtos pop dessa faixa etária para divulgar e incentivar que se vacinem. É um caminho? Sim. Mas há riscos.

Evidentemente que quem produz esse material são profissionais adultos, que já passaram da adolescência há certo tempo. Logo, existe uma diferença geracional, o que pode tornar o conteúdo e a forma do material caricato ou forçado, aí o efeito é contrário.

No cômputo geral, a maioria das artes, banners, campanhas e ações está acertando o tom, mas claro que a vacinação ou não depende também da estrutura familiar do jovem, de seu grau de esclarecimento e de suas influências.

Esse último ponto, o das influências, deveria ser mais explorado utilizando-se de youtubers, streaming de games e personalidades que fazem corações e mentes de milhares e milhões de adolescentes Brasil afora, mas que para nós, no alto de nossos 30,40 ou 50 anos, são desconhecidos. Aí talvez esteja, utilizando uma expressão super cringe, o pulo do gato.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.