ASSINE

Raspar a língua: necessidade ou modismo?

Especialistas afirmam que esse hábito simples pode evitar mau hálito e melhorar a saúde do intestino

Tempo de leitura: 5min
Publicado em 02/12/2021 às 06h00
Mulher raspando a língua
A educadora física Thaynara Fumiere colocou a raspagem da língua na rotina diária dela há pelo menos nove meses. E já vê benefícios na sua saúde. Crédito: Freepik

Quando você acorda, qual a primeira coisa que faz? Depois de se espreguiçar bastante, levantar e ir ao banheiro, você lava o rosto e está pronto para começar o dia. Mas tem um detalhe aí nesse ritual matinal que passa batido: escovar os dentes e a língua.

Sim, a língua. Uma prática milenar da medicina ayurveda está se popularizando e prega que a limpeza da língua seja mais um passo na nossa rotina de autocuidado. Nas redes sociais, é comum ver influenciadores contando os benefícios que colheram ao aderirem a esse hábito, usando seus raspadores linguais antes de qualquer outra coisa pela manhã.

Fomos atrás de especialistas para saber se isso é apenas um modismo do mercado de bem-estar ou se faz sentido.

O que se prega é que nossa língua, ao acordarmos, tem um resíduo acumulado que é cheio de toxinas. E se pularmos a etapa da limpeza e formos beber um copo de água ou logo uma xícara de café, por exemplo, estaremos "empurrando" essa sujeira para dentro do organismo.

Saburra

"A saburra lingual é um material viscoso, como um tapete de coloração esbranquiçada, amarelada ou até amarronzada localizado na superfície da língua, especialmente na região posterior. A saburra é composta principalmente por células epiteliais, resíduos alimentares e bactérias comuns no meio bucal. A formação desse material é um fenômeno normal. Porém, a permanência não", explica a ortodontista Flávia Machado.

Muitas pessoas, diz Flávia, dão atenção aos dentes e gengivas e se preocupam pouco com a língua, que tem uma anatomia que favorece a formação da saburra. "A saburra lingual que não é removida diariamente é uma das principais causas do mau hálito", pontua.

Segundo a especialista, essa saburra pode ser evitada com medidas bastantes simples, como a higienização diária, beber muita água, reduzir o estresse e diminuir o consumo de alimentos pastosos.

mulher de boa aberta
A língua tem uma microbiota natural que, mesmo após a escovação, em 24 horas volta a ser colonizada pela mesma quantidade de bactérias existente anteriormente. Crédito: Freepik

Bactérias

Ou seja, lavar bem a língua não é frescura, como concorda a microbiologista Maria das Graças Silva Mattede: "A língua tem uma microbiota natural que, mesmo após a escovação, em 24 horas volta a ser colonizada pela mesma quantidade de bactérias existente anteriormente. Daí a importância da escovação da língua sempre após as refeições, pois os alimentos colaboram para a multiplicação em maior velocidade dessas bactérias do que quando estamos com menos resíduo sobre ela", observa.

A especialista lembra que a saliva contém uma enzima denominada de lisozima, que age controlando também grande parte destes micro-organismos. O que não descarta a necessidade de uma limpeza extra.

"Ao acordar, devemos escovar os dentes e limpar a língua. Existem pessoas que bebem água ao acordar, até porque podem estar com sede. As bactérias da microbiota normal da boca são os Streptococcus. O que não se deve fazer é dormir com a boca cheia de resíduo alimentar, porque vai ampliar o número de micro-organismos, dentre eles o Streptococcus. E tem também o S. mutans, que se já estiver aderido ao dente pode causar cárie", afirma Maria das Graças.

Desintoxicação

Segundo a nutricionista Beatriz Gaudio, é realmente importante fazer isso logo cedo, antes de ingerir líquidos ou alimentos. "Durante o sono, quando nosso corpo está em repouso, o sistema digestivo trabalha para desintoxicar-se. Essas toxinas são depositadas na superfície da língua através dos canais excretores internos. Formam um revestimento que pode ser de tom amarelado, branco, preto ou azulado".

A raspagem da língua, aponta ela, é essencial para todos, mas, principalmente, para quem ingere alimentos e substâncias tóxicas, como comida processada, álcool e drogas. "Essa prática vai melhorar vários fatores da vida diária e o principal deles é o processo digestivo. Segundo a Ayurveda, a digestão é a base da nossa saúde, e esta começa pela boca. Se temos a língua cheia de células mortas, nossa capacidade de identificar sabores ficará alterada e isso irá reduzir a eficácia do nosso processo digestivo. Ao limpá-la, portanto, podemos ter benefícios até em relação ao funcionamento intestinal, uma vez que a raspagem ativa a produção de saliva".

Como Fazer

A ortodontista Flávia Machado afirma que a língua demanda limpeza diária, através da própria escova de dentes ou de raspadores específicos para essa região da boca, facilmente encontrados em farmácias e bons mercados. Há quem improvise até com uma colher.

"Não é necessário o uso de cremes dentais, mas enxaguantes bucais específicos podem, eventualmente, serem prescritos pelo dentista".

Usar um raspador não tem mistério nenhum. "É só segurá-lo com as duas mãos e abrir a boca, colocando a língua para fora. Aí, é só colocar a parte curva do raspador lá atrás, o máximo possível, deslizando-o para frente pela superfície da língua, até a ponta. Faça isso de três a seis vezes, raspando a enxaguando, até perceber que a língua voltou a ficar na cor rosada", orienta Beatriz Gaudio.

Flávia observa, porém, que os limpadores de língua podem virar um problema quando não usados corretamente: "Ao usar de maneira inadequada, a pessoa pode lesionar a língua, causando descamação excessiva e levando ao surgimento de escoriações. Lesionada, a língua pode causar um aumento no mau hálito, além de dificultar a alimentação por conta do aumento da sensibilidade".

Rotina e autoconhecimento

A educadora física Thaynara Fumiere, 29 anos, colocou a raspagem da língua na rotina diária dela há pelo menos nove meses. "Confesso que, no início, não levava tão a sério, pois achava meio nojento! Comecei a fazer com mais frequência e hoje a sensação de limpeza e desintoxicação me fizeram levar esse hábito para a vida! Afinal de contas, não é uma modinha, né? Estamos falando de uma prática milenar", comenta ela.

Thaynara diz que usa um raspador que um amigo trouxe da Índia. E que o hábito ajudou até no processo de autoconhecimento dela: "É engraçado! Você começa a se perceber também. E a reparar que raspar a língua após um dia comendo besteiras é bem diferente de quando você come comidas saudáveis. É mais uma resposta do seu corpo, diante das suas escolhas".

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.