ASSINE

Gripe canina: tudo o que você precisa saber sobre a doença

Segundo a médica veterinária Tatiana Sacchi, apesar de não ser uma doença grave na maioria dos casos, os surtos são frequentes e os animais podem passar pela infecção mais de uma vez

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 02/07/2021 às 15h03
Gripe canina, tosse dos canis: tudo o que você precisa saber sobre a doença
Gripe canina, tosse dos canis: tudo o que você precisa saber sobre a doença. Crédito: Pixabay

Com a chegada do inverno, cresce a atenção dos tutores para a disseminação da gripe canina, também chamada de tosse dos canis. A traqueobronquite infecciosa canina é uma doença que atinge as vias respiratórias, sendo altamente contagiosa entre os cães e que pode ser causada tanto por vírus quando por bactérias.

Segundo a médica veterinária Tatiana Sacchi, apesar de não ser uma doença grave na maioria dos casos, os surtos são frequentes e os animais podem passar pela infecção mais de uma vez. Ela lembra que a tosse dos canis é semelhante às síndromes gripais humanas em alguns aspectos. A forma de combate à doença é parecida: vacina e cuidados no convívio social.

Em entrevista ao jornalista Fábio Botacin, durante o Clube Pet CBN, da Rádio CBN Vitória, a veterinária elencou pontos importantes. Confira o que você, tutor, precisa saber para evitar que o seu animal adoeça:

  1. A Gazeta - qrgox0x
    01

    QUAL A FORMA DE CONTÁGIO?

    "A doença é altamente contagiosa entre os cães, pode ser causada tanto por vírus quanto por bactéria. As aglomerações acabam propiciando os quadros de tosse. O vírus fica no ar, mas o contato direto com animais também pode facilitar a disseminação", explica a veterinária.

  2. A Gazeta - lwoe2j
    02

    E A PREVENÇÃO?

    De acordo com Tatiana Sacchi, "sem dúvidas, a melhor forma de prevenção é a vacina". Segundo a especialista, a vacinação não é obrigatória contra essa doença, mas uma conversa entre o tutor e o médico veterinário pode ajudar a decidir sobre a vacinação, levando em consideração a rotina do animal e a convivência do pet em sociedade. "Na época de inverno a vacinação costuma ser mais procurada", lembra.

  3. A Gazeta - 5hthmnmb
    03

    DEVO VACINAR MEU PET?

    Como foi explicado no item 2, a vacina não é obrigatória, mas saiba que existem imunizações em diferentes formatos. 1-Vacina de aplicação intranasal: é gotejada dentro da narina do animal. Sua proteção é mais eficaz, pois ocorre em 3 dias e com uma única aplicação. As desvantagens são a dificuldade de aplicação em cães agitados ou bravos, cães com narinas muito estreitas ou para cães com estenose de traqueia que podem desenvolver reações após a aplicação. 2-Vacina de aplicação parenteral: é aplicada via subcutânea e necessita de duas doses em animais nunca antes vacinados. É mais fácil de ser aplicada, mas a proteção só ocorrerá 15 dias após a aplicação da segunda dose da vacina. 3-Vacina de aplicação oral: lançada recentemente no mercado veterinário. A partir de 60 dias do nascimento do animal a vacinação já pode ser feita.

  4. A Gazeta - eu44zkxg0a
    04

    QUAL SINTOMA DEVE SERVIR DE ALERTA?

    "A tosse é um sintoma muito evidente. É persistente e pode incomodar muito o animal. O pet costuma tossir tanto que acaba expelindo uma espuma branca de tanto esforço na tosse. É como uma mímica de vômito. É muito comum a confusão entre tosse e engasgo", comenta. Segundo a veterinária, é importante levar o animal ao veterinário para verificar o problema.

  5. A Gazeta - vroe16n6do
    05

    HÁ UM "GRUPO DE RISCO" PARA A DOENÇA?

    A veterinária ressalta que os cães estão mais suscetíveis à doença, os tutores devem ter atenção especial com os pets que vivem em ambientes com alta densidade populacional: abrigos, canis, lojas e feiras de animais. Também estão nessa lista os cachorros que frequentam ambientes comuns a outros cães, como serviços de banho e tosa, parques e praças, além dos hotéis para animais. Os pets que têm imunidade comprometida ou doenças concomitantes também devem receber uma atenção especial.

  6. A Gazeta - s63cbs5nu
    06

    ANIMAL DOENTE OFERECE RISCOS A OUTROS?

    Tatiana Sacchi alerta: "Se o animal estiver tossindo, é interessante evitar pegar o elevador. Tome alguns cuidados, evite andar em áreas comuns do prédio, por exemplo". Como os animais não usam máscaras de proteção contra a doença, o ideal é ter cuidado com as aglomerações.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Saúde Mundo Animal cachorro cbn cotidiano cbn vitoria doenca Saúde Tatiana Sacchi Pets

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.