ASSINE

Em busca de regularidade, time de rugby do Irefes pede ajuda na web

Equipe vende rifa e camisa para arrecadar dinheiro e conseguir disputar competições no Brasil. Time tem dois títulos na divisão de acesso da modalidade

Publicado em 02/01/2018 às 12h19

Em cinco anos, dois títulos brasileiros na divisão de acesso e duas participações na elite nacional do rugby em cadeira de rodas. Único time do Espírito Santo, o Irefes Quad Rugby luta para alcançar regularidade e se tornar cada vez mais competitivo. Mais do que melhorar a qualidade de vida de seus atletas, o time quer acumular títulos.

Criada em 2013, a equipe tem como único patrocinador uma faculdade particular de Vitória, que cede a quadra para os treinos, ajuda com fisioterapia e banca as passagens para a disputa do brasileiro todos os anos. Mas competir uma vez por ano é pouco para quem tem talento e sonha tão alto.

Irefes Quad Rugby luta para conseguir disputar as competições nacionais. Crédito: Divulgação/Thelma Vidales
Irefes Quad Rugby luta para conseguir disputar as competições nacionais. Crédito: Divulgação/Thelma Vidales

"A associação brasileira faz sete, oito eventos por ano e a gente só consegue disputar em um. Isso prejudica muito, por enquanto as outras equipes estão pegando experiencia, a gente acaba quase que tendo que aprender sozinho, vendo vídeo dos adversários. Mesmo assim, temos bons atletas. Um companheiro de time já treinou com a seleção brasileira por duas semanas. E em 2018, eu e mais três jogadores vamos ser observados pela seleção", diz o atacante Luiz Fernando Tulher, de 23 anos.

Com treinos três vezes por semana e sem um adversário local, a equipe depende das competições nacionais para evoluir. Por isso iniciou a venda de uma rifa e camisas do time para arrecadar cerca de R$ 5 mil e poder custear as viagens para outros campeonatos em 2018.

"A gente foi campeão da segunda divisão do nacional em 2014 e em 2016. Em 2017 disputamos na elite e caímos de novo. Fazer mais jogos, disputar mais campeonatos vai nos ajudar a subir e permanecer na elite. Como no rugby todos são tetraplégicos, a gente não pode fazer longas viagens de ônibus, por risco de gerar novas lesões, e as passagens de avião são caras. Se conseguirmos o dinheiro vamos poder disputar o campeonato aberto de Bebedouros (SP), em abril. Serve de preparação para o Brasileiro em julho e é ótimo para gente trocar experiência", explica o jogador.

Irefes Quad Rugby: venda de rifa e camisas para manter o sonho de competir. Crédito: Divulgação/Thelma Vidales
Irefes Quad Rugby: venda de rifa e camisas para manter o sonho de competir. Crédito: Divulgação/Thelma Vidales

"Trabalha e confia". A frase presente na bandeira do Estado é também o lema de Tulher e do restante da equipe. Gente que encontrou no esporte uma forma de se reerguer e seguir em frente.

"Tinha 18 anos quando levei um tiro e fiquei tetraplégico. 80% de tudo que consegui melhorar, fisicamente e psicologicamente, foi através do esporte. Antes do rugby eu não conseguia fazer nada, não saía sozinho. Minha vida hoje é muito melhor", garante.

Como ajudar

Rifa - R$ 5

Sorteio dia 15 de abril pela página da equipe no facebook

1° Sorteado: 1 Bicicleta

2° Sorteado: 1 Cesta de Chocolate

3° Sorteado: 1 Camisa do time

Camisa do time: R$ 40

Onde comprar: pela página do Irefes Quad Rugby no facebook, pelo e-mail [email protected] ou por telefone: 99764-3078

A Gazeta integra o

Saiba mais
esportes

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.