ASSINE

China ou Oxford? Após cloroquina, agora vacina foi politizada

Junto com as boas notícias da ciência sobre desenvolvimento de imunizantes pelo país asiático e pela universidade inglesa, surgiram também a polarização sobre o assunto, inclusive com comentários xenófobos

Publicado em 21/07/2020 às 13h49
Atualizado em 23/07/2020 às 20h06
Vacina CoronaVac começou a ser testada nesta terça-feira (21) no Brasil
Vacina CoronaVac começou a ser testada nesta terça-feira (21) no Brasil. Crédito: Retha Ferguson/ Pexels

Nesta semana, duas notícias em torno do desenvolvimento de vacinas contra novo coronavírus movimentaram o Brasil: a divulgação de que o imunizante elaborado na Universidade de Oxford, na Inglaterra, produziu bons resultados em ensaios clínicos iniciais e a chegada ao país das doses da chinesa CoronaVac, também bem-sucedida nos primeiras fases, que agora será testada em centros de pesquisa brasileiros. 

Junto com as boas notícias da ciência, porém, surgiu também a politização do assunto. Da mesma forma que aconteceu com as medidas de isolamento social e com o uso de cloroquina, por exemplo, agora é o imunizante, único caminho para que o mundo supere a pandemia, que sofre com a polarização. 

Nas redes sociais, há um claro receio com a CoronaVac, pelo fato de ter sido produzida na China. O analista de dados Pedro Barciela coletou mais de 60 mil comentários postados sobre as vacinas de Oxford e da China no Facebook, para medir a recepção aos imunizantes. O resultado, publicado no blog Essa Tal Rede Social, mostrou que 68% dos comentários sobre a substância chinesa foram em tom de crítica, incluindo opiniões xenófobas, enquanto 61% das avaliações postadas sobre a de Oxford são positivas.

"Um dos principais questionamentos é: o que aconteceria com o Brasil, nesse momento, caso a vacina chinesa fosse identificada como a que tem melhor potencial para combater o Covid-19? A possibilidade de uma Revolta da Vacina 2.0 seria bem plausível", escreveu Barciela em seu perfil no Twitter, ao comentar o levantamento. 

Nas redes sociais de A Gazeta, o cenário não é diferente do registrado pelo analista. A maioria dos leitores manifesta a intenção de não tomar a CoronaVac, ao mesmo tempo em que apoia a AstraZeneca, de Oxford. Confira alguns comentários:

Eu é que não tomo. Tomo, sim, a brasileira, a da Rússia etc.. menos a da China. (Rejane Shimba)

A China comunista, assassina e arrogante tem que vir a público pedir desculpa para as famílias de todo o mundo e reparar o caos econômico O Brasil nunca será vermelho! Vacine só quem idolatra a China! (Marco Aurelio)

Essa vacina é só pra comunistas, hein, galera! Cidadãos de bem conservadores de direita continuem com a cloroquina. (Manoel Queiroz)

Vamos deixar a chinesa para vocês. Vamos aguardar a de Oxford e deixar essa para vocês, inclusive o teste em humanos está sendo aqui. (Maria Revalle)

Sinceramente, o Brasil parou na Idade Média. O povo acredita em todo tipo de teoria da conspiração que vê na internet. O pior é ver as pessoas acreditando em cloroquina recomendada por um cara que não entende absolutamente nada de medicina, mas não acreditando nos maiores cientistas do Brasil e do mundo. (Tiago Dias)

Os vermelhos podem tomar a vacina da China e os verde-amarelo a de Oxford, vida que segue. (Duarte Gonçalves Ribeiro)

Os bolsonaristas tomam cloroquina e deixam as vacinas pros comunistas, socialistas, radialistas, jornalistas e tudo que termina em ISTA. (Amarildo Morais)

Nossa, gente até nisso vocês colocam política. Misericórdia! (Vilma Magalhães Brusqui)

Só uma dúvida: por que não testam lá na China, por que tem que ser aqui no Brasil? Eu jamais seria cobaia da China… (Gilson Souza)

Gilson Souza, porque é necessário que várias pessoas de culturas e raças diferentes tenham a experiência para saber a eficácia! A heterogeneidade da amostra em uma vacina é bom e dá maior credibilidade, visto que há diferenças dependendo dos hábitos, doenças de base e raça. (Layse Morais)

Me desculpe, está sendo meio xenófobo, mas fico com o pé atrás em relação à vacina da China. Torcendo para essa de Oxford dar certo. (Jorge Junior)

A de Oxford eu tomo, a chinesa nem pensar. (Maria Bell Souza Santos)

Já é difícil uma boa notícia, quando tem alguma, fica um monte de gente colocando “porém”. (Di Luka)

Excelente notícia!! E ciência acima de tudo e de todos! (Jardel Siqueira)

Tá, mas quando iremos tomar? Quando sairemos dessa prisão domiciliar? O que nos interessa é saber essa resposta é não esse mimimi e tititi, já deu né. (Marlene Ambrosio Oliveira)

O vírus “sai” da China, eles “criam” a vacina e vendem para o Brasil, ou vocês acham que vieram de graça?! (Paulo de Jesus Santos)

Deus me livre. O Brasil não devia aceitar nada de remédio que vem da China. Só doido para tomar remédio ou usar máscara daquele país. (Mercedes Oliveira)

Como foi que o povo emburreceu tanto nos últimos anos? Teorias de conspiração, negação de ciência… (Diego Henrique)

Brasil Coronavírus China Covid-19 Saúde Pública brasil Vacina Inglaterra Pandemia

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.