ASSINE

Golpe na Serra: criminosos se passam por funcionários da prefeitura

Criminosos que dizem terem sido enviados pela Secretaria de Educação para auxiliar nas atividades remotas; prefeitura nega envio de funcionários para casa de estudantes

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 08/03/2021 às 21h38
Viatura da Polícia Militar
Criminosos alegam serem funcionários da prefeitura para entrar na casa de moradores da Serra. Crédito: Carlos Alberto Silva

Os pais de estudantes da rede municipal de ensino da Serra devem ficar atentos para um novo golpe que está sendo aplicado. Criminosos se passam por funcionários da prefeitura ou da Secretaria de Educação, alegando que foram enviados para auxiliar nas atividades remotas, para entrar na casa das famílias.

Uma dona de casa que preferiu não ser identificada afirmou que quase foi vítima do golpe. Um homem chegou na casa dela dizendo ser estagiário da Secretaria Municipal de Educação e que estava lá para ajudar o filho, que possui necessidades especiais, com as atividades escolares.

"Eu achei estranho porque ele não se identificou, não mostrou a carteirinha… ele estava de calça jeans, camisa verde e uma bolsa bege. Ele não falou nada, só falou que a Sedu e a prefeitura indicaram ele para vir aos bairros ensinar as crianças", disse.

Ela afirmou que fez questão de denunciar o suposto funcionário da prefeitura para tentar alertar outras mães de alunos das escolas públicas, para que não sejam vítimas do golpe. Ela contou que, agora, sente medo de ser assaltada, pois não sabe o que poderia acontecer caso o criminoso tivesse conseguido entrar em sua casa.

"Tenho medo de ser assaltada. Porque se fosse minha mãe ou meu filho, poderiam ter deixado ele entrar, ele teria nos rendido e machucado minha família”, afirmou.

SEDU NÃO ENVIA FUNCIONÁRIOS PARA CASA DE ALUNOS

O secretário de Educação da Serra, Alessandro Bermudes, declarou em entrevista à TV Gazeta que a pasta não envia funcionários para as casa de alunos. Ele fez um pedido para que casos como esses sejam denunciados para as polícias Militar e Civil.

"Não há envio de nenhum profissional da Sedu para casa de nenhum aluno e, caso isso ocorra, peço que as famílias entrem em contato com a Polícia Militar e também com o disque-denúncia através do 181”, alertou.

A Polícia Civil orienta que os moradores registrem o boletim de ocorrência em casos como esse. A população, segundo a corporação, não deve abrir a porta para pessoas desconhecidas sem verificar antes. Deve ser pedido um documento ou ligar para o órgão responsável para confirmar o serviço.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.