ASSINE

Professor acusado de assédio por alunas é afastado de escola na Serra

Um processo administrativo foi instaurado pela Secretaria de Educação. Professor pode perder o cargo se os casos de assédio forem comprovados

Publicado em 26/06/2019 às 19h24
Escola Clóvis Borgues Miguel, na Serra. Crédito: Google Street View
Escola Clóvis Borgues Miguel, na Serra. Crédito: Google Street View

O professor acusado de assédio sexual por alunas da Escola Estadual Clóvis Borges Miguel, na Serra, foi afastado do cargo nesta quarta-feira (26). Ele foi realocado em uma posição administrativa até que as investigações administrativas do caso sejam concluídas. 

A Secretaria de Educação do Espírito Santo informou que abriu um processo interno para investigar as acusações de assédio. Enquanto isso, o professor vai ficar afastado da escola para preservar as alunas e também a ele. Apesar de não ter um prazo de conclusão, a investigação é prioridade para o secretário de Estado da Educação, Vitor de Ângelo.

Secretário de Educação, Vitor de Ângelo, quer prioridade nas investigações das denúncias de assédio sexual dentro de escola na Serra. Crédito: Carlos Alberto Silva | Arquivo | GZ
Secretário de Educação, Vitor de Ângelo, quer prioridade nas investigações das denúncias de assédio sexual dentro de escola na Serra. Crédito: Carlos Alberto Silva | Arquivo | GZ

 "A minha orientação para a Corregedoria é que isso seja prioritário no conjunto de investigações para que a gente tenha uma resposta o mais rápido possível", declarou o secretário. 

Secretário de Estado da Educação

Cargo do Autor

" inadmissível, se ficar comprovado o fato, que a gente tenha esse tipo de situação (de assédio sexual) dentro das nossas escola"

Caso as denúncias contra o professor sejam comprovadas, ele pode ser exonerado e perder o cargo. "O professor ao final do processo pode receber algumas punições, inclusive a demissão. Não há nenhuma orientação a princípio da Secretaria para fazer isso por enquanto, mas eu posso garantir que havendo elementos para exoneração, isso não será acobertado".

Nome do Autor da Citação

Cargo do Autor

"e fosse em uma iniciativa privada, qualquer professor seria demitido por justa causa. No serviço público, a coisa não funciona dessa maneira pelo fato do servidor ter estabilidade. Porém, neste caso, dada a gravidade, se a conclusão da Corregedoria for esta, é este o procedimento e encaminhamento que nós vamos da"

AS DENÚNCIAS

As denúncias de assédio começaram no dia 19 de junho, depois que três alunas escreveram cartas para outros professores e estudantes alertando sobre piadas de cunho sexual que ouviam na escola. Elas relataram também sobre comentários feitos pelo professor sobre o corpo delas e como isso gerava constrangimento e desconforto. O caso ganhou repercussão na última segunda-feira (24), quando as estudantes publicaram os relatos de assédio no Twitter usando a hashtag #SuaAlunaNãoÉUmaNovinha, que foi compartilhada pelo ex-deputado Jean Wyllys. 

Carta encaminhada pelas alunas para os professores relatando histórias de assédio. Crédito: Arquivo pessoal
Carta encaminhada pelas alunas para os professores relatando histórias de assédio. Crédito: Arquivo pessoal

Os movimento gerado na rede social trouxe à tona outros relatos de assédio na escola Clóvis Borges Miguel, inclusive em anos anteriores. No Twitter, ex-alunas descreveram conversas e piadas de cunho sexual que ouviram na escola. Apesar dos relatos, não há nenhum registro de denúncias de assédios contra o professor, segundo a Secretaria de Educação. 

"A primeira denúncia que aconteceu contra ele foi dessas meninas, o que não significa que outras denúncias não possam aparecer até mesmo contra outros professores que estão lá ou passaram pela escola", disse de Angelo, que reafirmou o compromisso da Sedu em apurar os casos.

"Eu recebo lamentando, obviamente, essas denúncias, porque de um lado a gente acaba tendo um indicativo de que aconteceu outras vezes e de outro, que ainda é mais grave, que estes alunos não tiveram oportunidade de falar, mas eu quero deixar claro que há total interesse nosso em tomar conhecimento desses casos para que a gente possa fazer a apuração e sendo procedente dar a devida punição ao servidor envolvido neste contexto", finalizou.

A Gazeta integra o

Saiba mais
assedio assedio sexual clovis borges miguel escola estadual clóvis borges miguel serra twitter serra

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.