ASSINE

Fábrica de café solúvel vai abrir quase 1 mil vagas de emprego no ES

A multinacional Olam, de Singapura, vai construir uma unidade em Linhares. Serão aplicados cerca de R$ 740 milhões no projeto, que deve entrar em operação em 2023

Publicado em 02/03/2021 às 18h42
Atualizado em 02/03/2021 às 18h59
Armazém de café da Olam em Muniz Freire, no ES
Armazém de café da Olam em Muniz Freire, no ES. Crédito: Olam/Divulgação

A multinacional Olam anunciou na tarde desta terça-feira (2) que vai investir US$ 130 milhões, o que corresponde a cerca de R$ 740 milhões, em uma fábrica de café solúvel em Linhares, no Norte do Espírito Santo. A confirmação do investimento foi noticiada em primeira mão pela colunista Beatriz Seixas, de A Gazeta.

Ao todo, serão gerados quase 1 mil empregos no Estado com o projeto. Na etapa de construção, que deve durar dois anos, serão empregados até 700 trabalhadores. Já na operação da indústria, que deve começar em 2023, a empresa contará com 250 colaboradores.

Os números foram divulgados pelo governo do Estado. O anúncio da empresa foi feito numa reunião virtual com o governador Renato Casagrande e o prefeito de Linhares, Guerino Zanon, além de executivos globais e nacionais do grupo.

Na fase de obras, devem ser criadas oportunidades para cargos como pedreiros, pintores, soldadores, mecânicos, técnicos e ajudantes, além de profissionais das áreas administrativas e gerencial. Já a operação da fábrica deve demandar diferentes perfis de profissionais nas áreas operacionais e administrativas.

A Olam é uma empresa de Singapura com atuação global nos segmentos de café, especiarias, açúcar, grãos e nozes. O grupo está no  Espírito Santo exportando café há mais de 15 anos. São dois empreendimentos no território capixaba, um armazém no município de Nova Venécia com foco na comercialização de conilon e outro na cidade de Muniz Freire voltado para a exportação de arábica.

Como destacou a colunista Beatriz Seixas, o investimento na fábrica era negociado desde 2016 pelo grupo asiático com representantes do governo capixaba. Nos últimos anos, executivos da Olam chegaram a visitar diferentes locais do Estado para definir a melhor área para a implantação da indústria. Além de Linhares, estavam cotados os municípios de Colatina São Mateus.

O EMPREENDIMENTO

Comercialmente, a fábrica começará a produzir em fevereiro de 2023, com uma expectativa de produção de 13,5 mil toneladas de café solúvel por ano. A expectativa da empresa é de que, assim que a unidade estiver em plena atividade, o consumo de matéria-prima será de aproximadamente 600 mil sacas de café em grãos por ano.

As etapas de drenagem e terraplanagem da nova unidade tiveram início na segunda quinzena de fevereiro no terreno localizado no distrito de Bebedouro.

A escolha pelo Estado para sediar a empresa está ancorada no fato do Espírito Santo ser considerado o maior produtor de café conilon do país, principal matéria-prima para a produção do café solúvel. Das 15 milhões de sacas produzidas no Brasil, o Estado é responsável por 66% de toda a produção nacional, ou seja, 10 milhões de sacas. Deste total, as regiões Norte e Noroeste do Estado produzem 7,5 milhões de sacas.

Outro fator que foi decisório na instalação da Olam em Linhares é a disponibilidade hídrica do município, ponto fundamental para o processo produtivo do café solúvel.

O governador Renato Casagrande também destacou que  "o bom ambiente de negócios, a boa gestão fiscal e Nota A do Tesouro Nacional trazem uma segurança aos investidores que pretendem se instalar no Espírito Santo. O investimento da Olam vai gerar oportunidades aos capixabas, renda a muitas famílias e pequenas empresas da região e tornar o Estado cada vez mais competitivo.

O prefeito de Linhares também destacou os diferenciais da cidade. "Os investimentos anunciados são resultado de um círculo virtuoso: decisão, planejamento, ação, caminho para o desenvolvimento social e econômico de Linhares e do Estado do Espírito Santo. É a prova de confiança em Linhares. Mesmo num cenário com incertezas, o município segue atraindo investimentos que geram emprego, renda e impulsionam o crescimento no campo e na cidade", disse Guerino Zanon.

POLO DE CAFÉ SOLÚVEL

De acordo com o governo do Estado, com o empreendimento, o Espírito Santo se transformará no polo de café solúvel do Brasil, com a empresas Café Cacique, Real Café e Olam Internacional operando em terras capixabas. 

“Hoje o Espírito Santo representa 7% das exportações de café solúvel do Brasil. Em dois anos, representará 27% e em 5 anos, será mais de 45%. Com isso, o Espírito Santo se tornará em 5 anos o maior polo de exportação de café solúvel do mundo. Isso é muito importante para a indústria do Espírito Santo e do país e abre muitas oportunidades de negócios e empregos na região, onde temos também a previsão de expansão de portos”, destacou Cris Samorini, presidente da Federação das Indústrias do Estado (Findes).

* Com informações do Governo do ES e da Prefeitura de Linhares

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.