ASSINE

Protesto do Sindicato dos Rodoviários deixa trânsito lento na Serra

O grupo reivindica cumprimento de carga horária, salário, tíquete, plano de saúde e seguro de vida para  empresas de transporte que prestam serviço para mineradora

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 28/07/2021 às 08h37
Rodoviários fizeram protesto em Carapina, na Serra
Rodoviários fizeram protesto em Carapina, na Serra . Crédito: Reprodução/TV Gazeta

Um protesto promovido pelo Sindirodoviários deixou o trânsito complicado na região do Terminal de Carapina, na Serra, no início da manhã desta quarta-feira (28). O grupo reivindica cumprimento de carga horária, salário, tíquete, plano de saúde e seguro de vida.

O diretor do sindicato, Miguel Leite, disse que o objetivo é chamar a atenção das empresas de transporte que prestam serviço para  mineradoras. Segundo ele, os empresários têm o compromisso de cumprir o que foi decidido na convenção coletiva da categoria.

"A carga horária está sendo exorbitante. Uma carga horária até de 16 horas por dia, sendo que na convenção coletiva em maio ficou definida uma carga horária de 7h20. Estão colocando os profissionais para trabalhar como escravos e não querem cumprir a convenção coletiva, além de não querer pagar o salário como diz a convenção", explica.

De acordo com o Sindiroviários, o salário que deve ser cumprido está no valor de R$ 2.511, tíquete diário de R$ 8,66, além da oferta de plano de saúde e seguro de vida. A manifestação começou por volta das 5h desta quarta-feira e não tem previsão de acabar.

PARALISAÇÃO É ILEGAL, DIZ SETPES

Na avaliação do Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Espírito Santo (Setpes), a paralisação realizada nesta quarta-feira foi ilegal. A entidade afirma que está à disposição do sindicato para tratar dos "entendimentos devidos".

"O Setpes entende que a momentânea paralisação das atividades do serviço de fretamento de ônibus, conduzida pela diretoria do Sindirodoviários, ocorrida na manhã de hoje é ilegal. O movimento descumpre a lei de greve e gera prejuízos às empresas, que se utilizam deste modal no deslocamento de seus funcionários, e à população em geral", destaca a nota do Setpes.

O sindicato esclarece ainda que a convenção coletiva de trabalho da categoria, firmada entre o Setpes e o Sindirodoviários, é de obrigatória observância por todas as empresas que operam no segmento do transporte por fretamento e "não se têm notícias de seu descumprimento por qualquer empresa representada, em especial no que se refere ao excesso de jornada", pontua.

"Lamentamos uma vez mais a conduta ilegal praticada pelo Sindirodoviários e nos colocamos à disposição do sindicato laboral para os entendimentos devidos, esperando não ter que acionar a justiça do trabalho a fim de se coibir tais atos ilegais que tanto prejudicam a sociedade capixaba", finaliza.

A Gazeta integra o

Saiba mais
sindirodoviários trânsito

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.