Com estreia da 2ª temporada de "Servant", veja altos e baixos de M. Night Shyamalan

O cineasta indiano, que ganhou fama após o sucesso de "O Sexto Sentido" (1999), teve uma carreira marcada por sucessos e projetos que quase decretaram o seu fim na indústria de Hollywood

Vitória
Publicado em 18/01/2021 às 09h57
Atualizado em 18/01/2021 às 09h57
O indiano M. Night Shyamalan ficou conhecido após o sucesso de
O indiano M. Night Shyamalan ficou conhecido após o sucesso de "O Sexto Sentido" (1999). Crédito: Zade Rosenthal/Paramount

Cineasta que sempre dividiu opiniões, M. Night Shyamalan faz o tipo clichê, bem ao estilo ame ou odeie. Mesmo não gostando de todos os seus trabalhos (ele fez muitos projetos ruins mesmo!), o indiano tem um inegável faro para o sucesso.  

Quer exemplos? Quantas vezes apareceu em sua timeline do WhatsApp – ou mesmo em outras redes sociais – o meme de um garotinho assustado dizendo que "vê pessoas mortas"? Já perdeu a conta, não é?  

O menino chorão da cena – que virou símbolo da cultura pop – é Haley Joel Osment, aqui encarnando o frágil Cole Sear no hit instantâneo "O Sexto Sentido" (1999), um dos "rebentos" do diretor. 

O longa-metragem conquistou seis indicações ao Oscar e elevou (novamente) o gênero horror ao topo da indústria de Hollywood no final da década de 1990, estilo que já vinha ganhando espaço com o sucesso de "Pânico" (1996), do mestre Wes Craven.

Com o "Sexto Sentido", inclusive, Shyamalan recriou um vício narrativo repetido à exaustão até hoje pelo cinema: a mania de fazer filmes com "finais surpreendentes". Até o próprio artista repetiu o efeito em inúmeros momentos de sua cinematografia, às vezes acertando, como em "A Vila" (2004), e às vezes errando, como em "A Dama na Água" (2006). 

Cena do filme
Cena do filme "A Vila" (2004), mais um polêmico projeto do cineasta indiano. Crédito: Frank Masi/Buena Vista

Por falar em escorregadas, o indiano tem outra mania, a de derrapar feio em projetos fadados ao fracasso, como o "O Último Mestre do Ar" (2010), mediocridade que quase decretou o seu fim em Hollywood.

MEDO

Aproveitando a estreia da segunda temporada da (excelente) série "Servant", um horror sobrenatural que explora o pesadelo do luto materno e da depressão pós-parto, também criada por M. Night Shyamalan, listamos o melhor e o pior do realizador indiano.

Ainda não conhece a atração televisiva em cartaz na Apple TV+, que a cada episódio liberado fica entre os assuntos mais comentados das redes sociais americanas? Calma! Daremos um resumo básico, sem spoilers, para não estragar as inúmeras surpresas.

Confesso que poucas séries conseguem deixar o público com a cabeça tão fervendo quanto esta. A cada episódio, terias conspiratórias caem por terra e outras ainda mais absurdas vão aparecendo. 

O que você precisa saber é: Leanne (Nell Tiger Free, excelente), uma babá sinistra, chega à casa confortável de Sean (Toby Kebbell) e Dorothy (Lauren Ambrose) para cuidar do filho do casal. Em uma história sufocante, marcada por isolamentos e angústias, uma tragédia ocorreu no local, o que faz com que Leanne seja, como podemos dizer, vista como um "sopro de vida".

SHYAMALAN: O ÁPICE

  1. 01

    O SEXTO SENTIDO (1999)

    Impossível não começar a lista com o título que revelou M. Night Shyamalan, chegando a receber seis indicações ao Oscar, inclusive Melhor Filme e Diretor. "O Sexto Sentido"(em cartaz no Telecine Play) é um longa que evoca carências paternas, inseguranças e fragilidades familiares... Tudo isso embalando uma história de horror. Uma criança (Haley Joel Osment) atormentada por visões de espíritos recebe a ajuda de um psicólogo (Bruce Willis), que tenta arranjar uma explicação racional para o problema. O melhor trabalho do cineasta indiano.

  2. 02

    SINAIS (2001)

    Sem dúvidas, o filme mais maduro do realizador, em um projeto que fala da perda da fé, desilusão e (novamente) inseguranças paternas. Graham (Mel Gibson) é um pastor que se afastou da Igreja e rejeita Deus. Viúvo, mora com os dois filhos e um irmão numa casa de campo. A vida deste ex-pregador, porém, vai mudar após o surgimento de misteriosos círculos em sua plantação. A aterrorizante trilha sonora de James Newton Howard é o ponto alto. Pode ser conferido no Telecine Play.

  3. 03

    A VILA (2004)

    Filme amado e odiado com a mesma intensidade, "A Vila" (no Telecine Play) consegue chamar a atenção pela excelência técnica e por uma trama capaz de prender até o final. A pequena comunidade de Covignton, na Pensilvânia, vive atormentada por criaturas míticas que habitam os bosques ao redor da vila, que acabou isolada pelo tempo. Os verdadeiros problemas começam quando Ivy (Bryce Dallas Howard), a filha do chefe da região, decide sair do povoado para resolver uma emergência. Dica crucial: não confie em tudo o que seus olhos vê. 

SHYAMALAN: A QUEDA

  1. 01

    O ÚLTIMO MESTRE DO AR (2010)

    Em cartaz no Amazon Prime Vídeo, Netflix, Globoplay e Telecine Play, "O Último Mestre do Ar" é o maior fracasso da carreira de M. Night Shyamalan. Versão em live action de "Avatar – A Lenda de Aang", animação adorada pelos fãs, o filme foi massacrado pelo público e pela crítica, especialmente por cenas de ação pouco críveis, efeitos especiais exagerados e atuações sofríveis, especialmente de Noah Ringer, como o herói protagonista da trama.  O filme segue Aang (Ringer), um jovem sucessor de uma longa fila de Avatares, que deve dominar todos os quatro elementos e impedir que a Nação do Fogo escravize as Tribos da Água e o Reino da Terra. Fuja disso!

  2. 02

    DEPOIS DA TERRA (2013)

    Estranha ficção-científica (com cara de reality show) que traz a constrangedora parceria de Will Smith com o filho, Jaden Smith. A história apocalíptica não convence. Um pouso forçado deixa Kitai (Jaden) e seu pai, Cypher (Will), presos na Terra um milênio depois que uma série de eventos ecológicos forçaram a humanidade a deixar o local. Com Cypher ferido, Kitai deve embarcar em uma jornada para pedir ajuda. Arrastado e exagerado. Pode ser conferido na Claro Vídeo.

  3. 03

    VIDRO (2019)

    "Vidro" é o desfecho ruim para a trilogia sobre a desconstrução e fragilidade do chamado "Mito do Super-Herói", que foi inciada pelo diretor com os bons "Corpo Fechado" (2000) e "Fragmentado" (20017), que merecem ser conferidos. O novo filme traz Kevin Crumb (James McAvoy), o homem com 24 personalidades diferentes, passando a ser perseguido por David Dunn (Bruce Willis), o herói de "Corpo Fechado". O jogo de gato e rato entre o homem inquebrável e a Fera é influenciado pela presença de Elijah Price (Samuel L. Jackson), que manipula seus encontros e guarda segredos sobre os dois. Pode ser alugado no iTunes e no Google Play.

Cinema Televisão Hollywood

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.