ASSINE

Bruna Linzmeyer: Ser sapatão é identificação cultural, pertencimento emocional

A atriz revelou, em entrevista, que também sofreu lesbofobia de psicanalista

Publicado em 15/09/2021 às 17h27
A atriz Bruna Linzmeyer
A atriz Bruna Linzmeyer. Crédito: Reprodução/Instagram @brunalinzmeyer

Bruna Linzmeyer afirma que, por muito tempo, não conseguiu assumir a homossexualidade e essa situação foi perpetuada, segundo ela, por causa da analista.

"Quando vi, eu não dançava mais, não bebia, não amava. Parei até de escrever. Ela me fez duvidar de mim, da minha escolha, do meu desejo", disse. A atriz participou de uma série de entrevistas feitas pelo jornal O Globo.

A artista também disse que as pessoas que lutam para viver a sexualidade com liberdade são muitas. "Somos diferentes também, depende de onde a gente mora, da cor da nossa pele, das escolhas de cada um. A gente tem construído uma cultura lésbica", explica.

Bruna Linzmeyer acrescentou: "Ser sapatão não é só sobre amar ou fazer sexo com mulheres. Para além de sexo e romance, é uma identificação cultural, um pertencimento emocional, um lugar no mundo".

A atriz namora a DJ e artista visual Marta Supernova.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.