ASSINE

Falta de liderança é o maior dos apagões brasileiros

É assombroso que, como nação, o Brasil se encontre tão despedaçado pela falta de comprometimento público dos diferentes setores e pela ideologização rasteira

Publicado em 23/05/2020 às 06h00
Atualizado em 23/05/2020 às 06h00
Bandeira do Brasil
Bandeira do Brasil:  a falta de um debate público propositivo, sem radicalismo, tem adoecido um país. Crédito: Pixabay

Foram episódios emblemáticos, que são janelas abertas para o vácuo de lideranças que se arrasta ao longo da década. A falta de um debate público propositivo, sem radicalismo, tem adoecido um país que não consegue encontrar saídas viáveis para salvar a economia, que já se encontrava em frangalhos antes da pandemia, e o consequente naufrágio social que se seguiu.

É assombroso que, como nação, o Brasil se encontre tão despedaçado pela falta de comprometimento público dos diferentes setores e pela ideologização rasteira. Não é somente na política que a liderança se mostra imprescindível, o poder econômico e a própria sociedade civil precisam dessa construção, cujo pilar fundamental é a educação. Só um povo com acesso pleno ao conhecimento é capaz de fazer as corretas distinções políticas, reconhecendo os perigos do populismo, venha de onde vier.

O “nós contra eles”, como é possível testemunhar atualmente, passeia por cores políticas antagônicas, mas é sempre muito conveniente aos desígnios autoritários. Mesmo que a sociedade seja plural, é possível construir uma agenda comum, capaz de estabelecer prioridades. Falta base política para que não haja mais tanto apego a salvadores da pátria, mas a confiança em líderes que promovam o diálogo, a articulação de boas ideias e propostas para a sua execução.

Na pandemia, essa modulação é crucial para a efetividade do combate. Bolsonaro, pressionado pela crise política que ele próprio desencadeou, começou a ceder, como se viu na reunião com governadores realizada na última quinta-feira (21). Mas acenos precisam vir acompanhados de atitudes e, principalmente, de mudança nas convicções.

A democracia é espelho, com os reflexos apresentando os opostos, e por isso precisa de todo o cuidado, não pode abrir espaços à radicalização e se estraçalhar. Liderar é conduzir, nas crises ou fora delas, mas principalmente aglutinar. Divididos, não saímos do lugar. Ou pior: retrocedemos.

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.