ASSINE

Mesmo lucrativas, empresas podem quebrar por falta de capital de giro

Descasamento entre o tempo que se demora para vender e receber dos clientes pode causar dificuldades financeiras em um negócio

Publicado em 24/05/2022 às 08h43

Parece um contrassenso, mas ser lucrativo não garante a sobrevivência de um negócio. Pois, uma das principais causas de mortalidade de empresas é a falta de gestão do fluxo de caixa.

É muito comum empresas terem problemas de falta de caixa em momentos de crescimento dos negócios. Naturalmente, quando as vendas aumentam, os custos e as despesas também crescem.

Nem sempre é possível financiar esse aumento de custos e despesas com o próprio lucro das vendas, pois, em geral, existe um descasamento entre o tempo que se demora para vender e receber dos clientes e o prazo que se tem para pagar os fornecedores.

Por falta de Capital de Giro, o empresário acaba comprando uma quantidade de mercadoria para estoque menor do que a sua demanda. Estudos demonstram que, se o cliente passa duas vezes no estabelecimento e não encontra o produto, ele não volta mais. Com isso, a tendência de crescimento nas vendas se inverte e inicia um ciclo de redução que pode levar essa empresa à falência.

Saber que muitas empresas quebram em pleno crescimento é frustrante. Pois as consequências são traumáticas para o empresário e, paradoxalmente, a solução é relativamente simples.

Golpes financeiros, pirâmide, estelionato, dinheiro
Ter dinheiro em caixa para pagar despesas do dia a dia do negócio é essencial para uma administração saudável. Crédito: Andrzej Rostek / Getty Images/iStockpho

O primeiro passo para melhorar a gestão financeira é conhecer a fundo o fluxo de caixa do negócio, que é a relação entre o dinheiro que entra e o que sai do caixa em determinado período.

Em um segundo passo, o empresário deve negociar com seus fornecedores para aumentar os prazos de pagamento e, na medida do possível, reduzir os prazos de pagamento para receber de seus clientes. Essa é uma das formas mais baratas de se financiar as atividades da empresa e reduzir a necessidade de capital de giro.

O terceiro passo é buscar linhas de empréstimo com essa função. O melhor momento para buscar o crédito é quando as contas da empresa ainda estão em dia e não existem restrições no CNPJ. Dessa forma, a instituição financeira tende a fazer uma boa avaliação de risco da empresa, o que viabiliza menores taxas de juros.

Para reduzir ainda mais o custo do empréstimo, a empresa pode oferecer carro ou imóvel como garantia. Além da taxa de juros, algumas instituições cobram tarifas que podem encarecer bastante o custo total do empréstimo. Portanto, o empresário deve ficar atento e buscar instituições que ofereçam o menor custo efetivo total (CET).

Por fim, mesmo para as empresas que, no momento, não precisam contratar um empréstimo para Capital de Giro, é importante conhecer a simulação de crédito e o quanto o banco está disposto a emprestar. Dessa forma, caso surja alguma oportunidade de negócio, como a compra à vista de um grande lote de mercadoria com desconto no preço, o empresário poderá avaliar a viabilidade e decidir rapidamente.

Caso tenha interesse em saber mais, procure a orientação do gerente do seu Banco, que poderá te passar informações mais detalhadas sobre as etapas e os custos de contratação do crédito para Capital de Giro.

Este vídeo pode te interessar

A Gazeta integra o

Saiba mais
Empreendedorismo Vicente Duarte dinheiro Mercado Financeiro Empréstimo

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.