ASSINE
Rodrigo Lima é empresário no mercado de automóveis premium, estética automotiva e marketing digital. Um empreendedor sempre na vanguarda das novas tendências no mercado de luxo e estilo de vida.

A mobilidade elétrica é um caminho sem volta?

Especialistas do mercado automotivo acreditam que o futuro já chegou e até 2030 os veículos elétricos devem dominar o trânsito de modo geral

Vitória
Publicado em 24/12/2021 às 01h59
Coluna
Montadoras já estão investindo no cenário elétrico para aumentar a competitividade . Crédito: All In Marketing Digital

Nos últimos tempos, percebe-se a vasta divulgação nas mídias de comunicação e redes sociais acerca da mobilidade elétrica, como também os investimentos das montadoras mundiais nesse formato.

É verdade que a aceleração tecnológica não mede esforços para aposentar o combustível fóssil, e efetivamente, caminha para esse breve dia, em que o abastecimento será feito em sua residência ou em local urbano com carga rápida, o que facilitaria ao usuário na locomoção de rotina.

O contexto atual prega liberdade de acesso à todos, que se desenvolve toda vez que o consumidor tem facilidade por meio da tecnologia, e se consolida na globalização da informação, da opinião e da escolha de consumo.

As locadoras de vídeo e DVD foram deixadas para trás com a vinda do streaming on-demand, já que o assinante pode selecionar aquilo que quer assistir. Da mesma forma, vários aplicativos de smartphone possuem mecanismos de delivery e com um simples clique é possível adquirir de comida a carros, sem sair de casa.

Haja vista esse cenário, a autossuficiência energética é um caminho rumo à independência. Logo, usar um veículo movido a uma energia limpa e de fácil acesso é uma obviedade incontestável.

A Audi já se pronunciou em diversos artigos oficializando o prazo limite de 2026 para produção exclusiva de elétricos.  No Brasil, a marca lançou planos imediatos para instalação de pontos de carregamento rápido nas concessionárias e locais públicos. Tudo isso com o objetivo de sair à frente na consolidação desse fomento no mercado.

Outra marca alemã que promete alto investimento nesse nicho é a Mercedes-Benz que anunciou aporte de 40 bilhões de euros até 2030 a fim de disputar com a Tesla na produção de veículos elétricos.

Nesse movimento disputado, alguns “gurus” acreditam que o futuro é agora, e o breve momento de extinção não passe de 2030 para observarmos a eletricidade dominar o trânsito e o transporte de modo geral.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais
carros Mercado Automotivo Carro Elétrico Motor Elétrico

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.