ASSINE
Crítico de cinema e colunista de cultura de A Gazeta

"Mank": filme da Netflix é ótimo, mas para um público restrito

Cotado para o Oscar do ano que vem, filme de David Fincher conta como o roteirista  Herman Mankiewicz deu origem ao clássico "Cidadão Kane"

Vitória
Publicado em 04/12/2020 às 20h44
Atualizado em 04/12/2020 às 20h44
Filme
Filme "Mank", da Netflix. Crédito: Netflix/Divulgação

A autoria do roteiro de “Cidadão Kane” (1941) é uma das mais longas confusões do cinema. Considerado um dos melhores filmes de todos os tempos, ele “oficialmente” foi escrito pelo diretor Orson Welles e pelo roteirista Herman Mankiewicz, que garante ter escrito o roteiro todo sozinho, sem a presença de Welles, tendo dito isso, inclusive, quando recebeu o Oscar pelo texto.

Em 1971, mais de 30 anos depois do lançamento do filme, Pauline Kael publicou um artigo na “New Yorker” chamado “Raising Kane”. O texto confere a autoria de “Cidadão Kane” e Mankiewicz e diz que o roteirista foi apagado dos anais de Hollywood pelos fãs de Orson Welles. Por outro lado, o historiador de cinema Richard Jewell garante que suas pesquisas garantem a contribuição de Welles no filme. Essa história provavelmente nunca será esclarecida, mas o diretor David Fincher (“Garota Exemplar” e “A Rede Social”) fez dela o centro de “Mank”, que chegou nesta sexta (4) à Netflix com grandes aspirações ao Oscar 2021.

Fincher escolhe um lado, o de Pauline Kael, mas não concentra seu filme na questão de quem é o autor ou não do filme. Ao invés disso, o cineasta prefere explorar a criação do clássico e o contexto dessa gênese. No texto de autoria de Jack Fincher, pai de David, Herman Mankiewicz (Gary Oldman) é um roteirista boa praça, falastrão e com alguns problemas com álcool e apostas. UEle circula no alto escalão da indústria cinematográfica, mas se vê cada vez mais como um pária ali dentro.

“Mank” explora bem os bastidores da indústria e o faz com diversas referências a figuras famosas da época. O filme tem início em 1940, quando Orson Welles (Tom Burke), uma estrela em ascensão, recebe carta branca do estúdio para um projeto com Mank - o roteirista, lidando com as sequelas de um acidente automobilístico, teria 60 dias para escrever um roteiro, em teoria, sem álcool. É a partir dali, com flashbacks e uma narrativa não-linear, que vamos entendendo a construção do que viria a ser “Cidadão Kane”, no qual ele, à sua maneira, representava o magnata das comunicações William Randolph Hearts (Charles Dance) e sua esposa, a atria Marion Davies (Amanda Seyfried).

Todo em preto e branco, “Mank” tem uma fotografia espetacular. O diretor de fotografia Erik Messerschmidt, que trabalhou com Fincher na série "Mindhunter", abusa dos contrastes e recria vários frames em homenagem a “Cidadão Kane”. A trilha sonora de Trent Reznor e Atticus Ross, também parceiros habituais do cineasta, está presente durante quase toda a projeção e também merece destaque, ajudando na ambientação de época. “Mank”, porém, tem alguns problemas…

Filme
Amanda Seyfried e Gary Oldman no filme "Mank", da Netflix. Crédito: Netflix/Divulgação

O primeiro deles é depender quase totalmente de que seu público não apenas tenha assistido a “Cidadão Kane”, mas também de que ele se lembre de detalhes do filme de 1941. Para essa audiência, “Mank” é um espetáculo, um mergulho nos anos dourados de Hollywood. No entanto, para quem o termo “rosebud” e os nomes Charles Foster Kane e Susan Alexander Kane nada representam o filme tem pouco a oferecer.

Há, sim, outros interesses em cena. O filme mostra como a indústria de cinema e os estúdios manipulavam a opinião pública com notícias falsas para influenciar em eleições - hoje a Califórnia é um Estado de maioria democrata, mas nem sempre foi assim. O texto também mostra uma época de mudanças em Hollywood, que saía da Crise de 29 e começava a formar seus sindicatos (roteiristas, atores, produtores etc.).

Mesmo interpretando um personagem quase 20 anos mais novo, Gary Oldman se sai muito bem e permite que o filme até brinque com isso. O ator encarna o aspecto fanfarrão de Mank, mas também o lado herói trágico, o sujeito que sucumbiu à indústria e ao álcool sem abrir mão de suas convicções. Amanda Seyfried é outra que se destaca com uma atuação precisa. Expressiva, a atriz protagoniza com Oldman os melhores diálogos do filme, aqueles que nos fazem entender um pouco mais as motivações do quase herói, um idealista romântico.

Filme
Filme "Mank", da Netflix. Crédito: Netflix/Divulgação

“Mank” funciona como um resgate, mesmo que talvez não fiel aos fatos, mas também como uma homenagem ao idealista herói incompreendido - as citações de “Dom Quixote”, de Miguel de Cervantes, não são gratuitas. “Cidadão Kane”, em “Mank”, é quase uma vingança, um grito por liberdade, um ato de guerra, e o filme funciona muito bem se enxergado dessa maneira.

O filme de David Fincher deve agradar os votantes da Academia, que adora uma homenagem à indústria, e provavelmente acabará com méritos no Oscar do ano que vem. Ainda assim, “Mank” carece de emoção. O roteiro até tenta, em duas subtramas, conferir um aspecto mais pessoal ao filme, mas não consegue. Ao fim, “Mank” é um filme para apaixonados e conhecedores de cinema, o que o afasta muito do público que buscar apenas se divertir ou se emocionar com uma obra.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Netflix Rafael Braz

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.