ASSINE
Crítico de cinema e apaixonado por cultura pop, Rafael Braz é Jornalista de A Gazeta desde 2008. Além disso é colunista de cultura, comentarista da Rádio CBN Vitória e comanda semanalmente o quadro Em Cartaz

Com novos temas,  3ª temporada de "Sex Education" é ótima

Sucesso da Netflix, "Sex Education" volta em terceira temporada nesta sexta (17) expandido sua história e levando seus personagens sempre adiante

Vitória
Publicado em 16/09/2021 às 19h14
Terceira temporada da série
Terceira temporada da série "Sex Education", da Netflix. Crédito: Sam Taylor/Netflix

Há algo especial em “Sex Education”. A série inglesa da Netflix, que chega nesta sexta (17) à terceira temporada, não julga seus personagens. Todos fazem sexo, dos adolescentes da escola de Moordale aos diretores, passando pelos pais deles e por diferentes fantasias e fetiches de cada um. A montagem que dá início à nova temporada deixa isso claro e aproveita para explicar ao espectador o que aqueles personagens fizeram durante as férias escolares.

O novo arco de episódios tem início com um novo semestre e com a escola lidando com o espetáculo “sexual” do final da temporada passada. Moordale ficou conhecida como a “Escola do Sexo” e a nova diretora, Hope (Jemima Kirke, a Jessa de “Girls”), não vê a hora de acabar com essa fama.

“Sex Education” é uma série de ótimos personagens com os quais o público é capaz de se identificar com facilidade. A terceira temporada traz mais atenção a personagens trans como Cal (Dua Saleh), uma pessoa não-binária que ganha destaque ao não se encaixar nos padrões que Hope quer determinar para a escola. O texto a introduz de maneira natural e leve, sem didatismo, mas possibilitando que todos entendam. Há também outro personagem trans de certo destaque e que o texto trata com delicadeza, mostrando como algumas pessoas ficam em segundo plano apenas para evitar confronto - quando seu conflito se revela, é uma surpresa.

É interessante ver o quanto a série progrediu em apenas três temporadas. A “educação sexual” do início eram as dicas que Otis (Asa Butterfield) e Maeve (Emma Mackey) davam aos colegas por uns trocados, uma premissa que hoje serve apenas como ponto de partida. Foi a “clínica” de Otis e Maeve que possibilitou as transformações naquela sociedade, um clima positivo de tratar o sexo como algo normal, sem tabus ou regras.

Na terceira temporada os personagens estão transformados, colhendo os frutos ou os prejuízos de suas ações prévias. Isso acontece pela qualidade do texto de “Sex Education”, que nunca se esquece de um acontecimento - toda escolha gera uma renúncia e coloca o roteiro sempre em movimento. Assim, se as coisas estão bem para Maeve ou Otis, elas talvez não estejam para Eric (Ncuti Gatwa) ou Jackson (Kedar Williams-Stirling). Sempre há um arco em conflito.

A série criada por Laurie Nunn sempre bebeu na fonte do cinema de John Hughes (1950 - 2009), algo que nunca fez questão de esconder, muito pelo contrário. O episódio de estreia da nova temporada utiliza músicas e situações que homenageiam o clássico “Curtindo a Vida Adoidado” (1986) e escancara a influência. As referências a Hughes são as mais óbvias, mas não são as únicas; com um ritmo mais acelerado e tomadas mais grandiosas, até o ótimo "1917", de Sam Mendes, é homenageado em uma ótima sequência. 

Esse anacronismo de “Sex Education” é um grande charme. A série se passa nos dias atuais, com tecnologia, smartphones, chamadas de vídeo e tudo mais, mas essas novidades nunca estão no centro das narrativas. Toda a ambientação da série remete a outros tempos. Além dos carros velhos, personagens jogam Gameboy Color (lançado em 1998), a decoração das casas é retrô e a imagem de uma entrevista na TV tem a qualidade e o formato de tela de uma televisão de tubo. Em contrapartida, os assuntos e a linguagem são super atuais.

Esse contraste cria uma característica única que entrega o conforto de estarmos em um ambiente conhecido e o frescor de estarmos acompanhando discussões novas; é também uma forma de levar a mensagem da série para os mais conservadores e de atualizar conceitos equivocados de produções antigas. “Sex Education” oferece um filme “Sessão da Tarde” com temas e estética contemporâneas, e é por isso que funciona tão bem.

Terceira temporada da série
Terceira temporada da série "Sex Education", da Netflix. Crédito: Sam Taylor/Netflix

A terceira temporada reforça a importância da educação e dos avanços culturais. Quando Hope tenta impor regras rígidas e até pregar a abstinência, os alunos entendem que não vale a pena regredir e perder as liberdades que lutaram para conquistar. Jemima Kirke acerta no tom da nova diretora, uma mulher jovem, de visual moderninho, mas com discurso autoritário e conservador. O texto poderia trabalhar mais a vilã, mas a escolha por entregar pouco dela pode ser entendida como uma maneira de revelá-la gradualmente, para não se ter de cara uma real noção da ameaça.

Além das novas caras, a série corrige alguns equívocos da temporada anterior e garante alguma profundidade a personagens criados unicamente como foco de conflitos amorosos, casos de Rahim (Sami Outalbali) e Isaac (George Robinson), que se tornam menos detestáveis. Vale ressaltar o fato de a série nunca usar a deficiência de Isaac como conflito. Assim como qualquer outro na série, o jovem tem qualidades e defeitos que não têm a ver com suas limitações físicas.

Terceira temporada da série
Terceira temporada da série "Sex Education", da Netflix. Crédito: Sam Taylor/Netflix

O roteiro dos novos episódios cria conflitos novos e resolve alguns antigos. Há até um arco de redenção para o ex-diretor Michael Groff (Alistair Petrie) e algumas boas mudanças de cenários nas viagens à França e à Nigéria. Todo o arco de Eric no país africano dá a Ncuti Gatwa um tempo de brilhar como protagonista, algo sempre pedido pelos fãs.

“Sex Education” cria quase uma utopia, um mundo em que as pessoas respeitam suas diferenças, aprendem com elas e evoluem com isso. A nova temporada ainda oferece uma luta contra o retrocesso de costumes e mostra, apesar de todo anacronismo, estar atenta ao mundo. O mais impressionante é a série fazer tudo isso em uma atmosfera leve e divertida, o que faz com que os oito episódios de cerca de uma hora passem voando. A impressão que temos é de evoluir junto àqueles personagens, e a evolução é sempre bem-vinda.

Terceira temporada da série
Terceira temporada da série "Sex Education", da Netflix. Crédito: Sam Taylor/Netflix

A Gazeta integra o

Saiba mais
Netflix Rafael Braz

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.