ASSINE
Crítico de cinema e colunista de cultura de A Gazeta

"Amor com Data Marcada" é comédia romântica aconchegante na Netflix

Comédia romântica estrelada por Emma Roberts e Luke Bracey na Netflix mistura fórmula dos anos 1990 e 2000 com uma pegada mais moderna

Publicado em 29/10/2020 às 00h56
Atualizado em 29/10/2020 às 20h24
Filme
Filme "Amor com Data Marcada", da Netflix. Crédito: Steve Dietl/NETFLIX

O que o público busca ao escolher uma comédia romântica para assistir? Normalmente conforto, um filme seguro e no qual se sabe exatamente como as coisas vão caminhar. A ideia é aproveitar a jornada que, ao fim, entrega aquela sensação de coração aquecido, é como uma comida de avó, que você sabe que não é refinada como a de um restaurante premiado, mas que traz um aconchego sem igual.

Por que escrevo sobre isso? “Amor com Data Marcada”, lançado pela Netflix nesta quarta (28), é exatamente isso: um filme seguro e confortável. Mesmo que traga poucas inovações a um gênero tão batido e com fórmulas tão repetidas, o filme dirigido por John Whitesell e escrito por Tiffany Paulsen usa bem os clichês do gênero para criar algumas situações interessantes e com as quais o espectador possa se identificar.

O título em português tira a força do trocadilho do original, que mistura as palavras “holiday” (feriado) e “date” (encontro) para criar uma expressão para uma relação em que os protagonistas se encontram apenas para passar os feriados juntos, o “Holidate”. Para fazer sentido à trama, mantiveram algum sentido no título e adaptaram a expressão para “ferigato”, entendeu? Um gato com quem passar os feriados… Sim, não é um grande acerto, mas era uma adaptação complicada.

No filme, Sloane (Emma Roberts, de “American Horror Story”, sobrinha de Julia Roberts) é uma mulher independente, chegando aos 30, que ainda não superou o fim de um relacionamento e não aguenta mais as cobranças da família nos feriados. Do outro lado, Jackson (Luke Bracey, do remake de “Caçadores de Emoção”) é um jogador de golfe profissional cansado das pressões impostas a ele nos relacionamentos.

Filme
Filme "Amor com Data Marcada", da Netflix. Crédito: Steve Dietl/NETFLIX

Os dois se encontram após o Natal, trocando presentes ruins que ganharam em uma loja dessas grandes varejistas. Após aquele estranhamento inicial básico, eles se conhecem e entram em um acordo para passar a festa de Ano Novo juntos, sem compromisso. Os dois se divertem pra caramba e se tornam, enfim, “parceiros de feriados”. Todos obviamente sabemos aonde isso vai chegar…

“Amor com Data Marcada” tem todos os clichês possíveis das comédias românticas feitas a partir dos anos 1990: familiares mala, amigos com conselhos equivocados, encontros e desencontros. É engraçado como em certo momento Sloane faz graça com os estereótipos eternizados pelo gênero, mas o roteiro não hesita em abraçá-los para promover o tal conforto - é quase como uma mea culpa, uma permissão para fazer aquilo admitindo saber não estar reinventando a pólvora.

Enquanto abraça fórmulas, o filme também se permite ser uma comédia romântica mais moderna, com mulheres falando abertamente sobre sexo sem que isso seja um tabu. A personagem da mãe de Sloane, vivida pela ótima Frances Fisher, faz as vezes do passado, é a personificação dos filmes em que as mulheres eram cobradas para se comportar dessa ou daquela maneira, para ter bons modos e “fisgar” um marido, já a filha e Jackson são os novos rumos, com pessoas escolhendo como querem viver e respeitando as escolhas do outro.

Emma Roberts e Luke Bracey funcionam juntos, formando um casal bonito, engraçado e com química em cena. Em vários momentos os dois parecem funcionar em um modo de ação e reação. Emma é engraçada, ágil e extremamente charmosa - a gente até compra a ideia de que Sloane é daquelas pessoas bonitas que não sabem que são bonitas. Já Jackson é um bonitão em desconstrução, um cara que outrora seria retratado como um macho alfa, mas que se mostra sensível e até frágil.

“Amor com Data Marcada” surpreendentemente segue muito bem até um ponto em que recorre não aos já citados clichês, mas a escatologias dignas de um filme produzido e estrelado por Adam Sandler. O recurso destoa do resto do filme e não tem uma motivação clara para ser utilizado, visto que o roteiro caminharia perfeitamente sem ele. Sim, garantirá algumas risadas adolescentes, mas é completamente dispensável.

Ao fim “Amor com Data Marcada” é divertido e confortável, mesmo que totalmente esquecível. Em alguns instantes o filme até nos faz pensar que seguirá por outro caminho, com umas jogadas diferentes de câmera que mostram como a protagonista se sente, por exemplo, mas o texto acaba se rendendo aos clichês em nome do conforto e do aconchego oferecido por uma obra intencionalmente “segura”.

Netflix Fique bem Rafael Braz

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.