ASSINE
É médico, psiquiatra, psicanalista, escritor, jornalista e professor da Universidade Federal do Espírito Santo. E derradeiro torcedor do América do Rio. Escreve às terças

Tudo é relativo, teria dito Einstein. Menos a magia de Pelé

Do alto de sua unanimidade universal, o Rei fez o que quis. Nunca foi vendido, nunca se vendeu. Só jogou no Brasil e, mesmo no apogeu da glória, não quis sair

Publicado em 27/10/2020 às 05h00
Pelé
O craque do futebol Pelé, que comemorou 80 anos neste mês de outubro. Crédito: Fifa/Divulgação

Tudo é relativo. Essa frase é atribuída a Albert Einstein para resumir a lógica mãe de toda a Filosofia. Uma vez ousei questionar o gênio da lógica: se tudo é relativo, essa frase, por exemplo, não pode ser.

É então que surge como um raio de Zeus, o absoluto. Pelé, o Edson Arantes do Nascimento. Não há sequer uma única dúvida a respeito da sua divindade.

Pelé não é relativo.

Jamais soube de alguém ou algo que duvidasse da magia de Pelé, eleito o melhor no Prêmio Nobel da Pelota. A senhora aí, conhece? Cale-se então para sempre. Bem me lembro da noite em que no estádio do Maracanã cobrou um pênalti no coitado do Andrada, goleiro argentino. Foi quando ele fez o milésimo gol.

Os hermanos sempre sofrem com a gente. A bola beijou a rede. Ninguém saiu do estádio naquela noite de gala, paralisado por uma autêntica e gratuita felicidade que estava dando a todos nós. Deu uma volta olímpica carregado por todos e repetindo: “Governantes, cuidem das nossas crianças, cuidem das crianças do Brasil”. Os intelectuais do Bar Lamas acharam que não era hora de dizer isso em plena euforia da glória. Era sim, e ainda é. Até hoje não cuidam.

Daí em diante, quando alguém se referia ao Rei como o famoso Pelé levava um esculacho: “Precisa escrever famoso não, se precisasse não era famoso”. É, faz sentido.

E olha que a única modalidade escolar acessível aos miseráveis do país era a forma de jogar futebol: da bola de meia aos grandes estádios. A matéria era os truques que só ele inventava.

Além disso, abriu portas, muitas portas para jogadores brasileiros, inclusive negros. Políticos foram obrigados a dar atenção ao fenômeno, criando a Lei Pelé, que salvou muitos jogadores da pobreza.

Jamais jogou em qualquer time que não fosse o Santos, onde fez miséria com a bola, e naturalmente no pavilhão verde e amarelo enrolado no corpo enquanto exibia sua arte, da qual ninguém conseguiu sequer se aproximar. Jogava seu balé fantástico com elegância e arte. Mas quando aparecia a clava forte enfrentava com força.

Do mesmo jeito que tecia uma linda cabeçada, chute de todas as instâncias, jogadas criativas de deixar estádios de boca aberta, não fugia à luta: sabia distribuir porrada quando atacado pelas costas. Em uma Copa do Mundo – acho que a do Tri – aplicou uma cotovelada em um irreverente uruguaio disposto a tirá-lo do campo, de tal engenho e arte que o juiz nem desconfiou.

Havia um excelente jogador argentino, defensor de talento, Perfumo, do River Plate. Em porfias entre as duas nações amigas – não debocha não Dorian Gray – dedicava-se a marcar Pelé, especialmente. Honorável Perfumo, “quantos chapéus”, “banhos de cuia” e bolinhas entre as pernas, Pelé lhe aplicou, e não se arranhou. Tudo dentro dos mais requintados moldes da perícia e elegância do Negão. Na maior categoria.

Do alto de sua unanimidade universal fez o que quis, inclusive no campo do amor durante as viagens, de modo que a partir dos 16 anos soube driblar os repórteres, cumprindo uma carreira discreta. Encheu a pança de amores e ninguém sabe de nada, como não é pra saber.

Nunca foi vendido, nunca se vendeu. Só jogou no Brasil e, mesmo no apogeu da glória, não quis sair. Propôs uma lei – aprovada – que durante muito tempo proibiu a saída de jogador tupiniquim para jogar fora do país. Ficando aqui, os craques dos principais clubes, de diversos Estados, se familiarizavam tecnicamente, um supertreino.

Formavam a Seleção com a nata de todos os clubes do Brasil. Em seguida era só ganhar. Depois dizem que Pelé não era político. Até o Vicente Feola ganhou campeonato, mesmo dormindo durante treinos e jogos.

Quando a lei caiu na mão do dinheiro, correram todos – jogadores, técnicos, e tudo mais atrás de grana. Acontece até hoje. Sentiram o faro do vil metal da Europa, e a Seleção que se lixasse.

Pelé não cedeu. Ficou até hoje, aos 80 anos.

Dorian Gray, meu cão vira-latas, é verde e amarelo.

Futebol Esportes Seleção brasileira

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.