ASSINE
Administradora de Empresas e Educadora Física. É Pós Graduada em Gestão Estratégica com Pessoas e em Prescrição do Exercício Físico para Saúde pela UFES.Atua como consultora em acessibilidade e gestora na construção e efetivação das políticas públicas para a pessoa com deficiência em Vitória

Saiba como praticar a sororidade

Se esta é a primeira vez que a palavra sororidade entra em contato com você, faço um convite: vamos juntxs saber mais sobre por que ela é tão importante?

Publicado em 03/03/2020 às 18h52
Para Mariana, sororidade pode ser sinônimo de solidariedade entre mulheres. Crédito: unsplash
Para Mariana, sororidade pode ser sinônimo de solidariedade entre mulheres. Crédito: unsplash

Sororidade é uma palavra capaz de promover grandes transformações com as pessoas com as quais nos relacionamos. Ela também muda nossa forma de ver as coisas. Como é uma palavra nova, novinha, que nem no dicionário ainda mora, vou correr o risco de afirmar que sororidade pode ser o contrário de rivalidade. Ou sinônimo de solidariedade. Mas é mais que tudo isso. Por trás de cada letra da palavra sororidade existe um chamado para repensarmos nossas atitudes em relação a todas as mulheres. Um chamado para nunca mais julgar porque a roupa é diferente daquilo que gostamos ou achamos adequado. Um chamado para tirar palavras como vadia, vagabunda e piranha do nosso vocabulário. Um chamado para deixar de olhar outras mulheres como rivais, e pensar nelas como irmãs.

Sororidade é a vacina contra o ódio às outras mulheres

Sororidade, então, é a união das mulheres em várias dimensões. É o companheirismo. Vem de sóror, que em latim significa irmã, parente de sangue, companheira. É um neologismo capaz de expressar a aliança entre as pessoas do gênero feminino. Uma palavra capaz de desmontar as crenças que foram construídas por alguns séculos, e que nos fez acreditar que outras mulheres são nossas rivais. A força da palavra é tanta que a cantora Valesca Popozuda refez a letra de sua música Beijinho no Ombro. Trocou versos como "Late mais alto que daqui eu não te escuto" por "Voa mais alto, agora as minas tão com tudo".

Mas vale ressaltar que não significa que temos que nos amar apenas pelo simples fato de sermos mulheres. E sim a não nos odiar pelo simples fato de sermos mulheres. Opiniões podem ser diferentes, respeito é bom e necessário, só não podem enfraquecer a aliança de gêneros.

E quando o assunto é mulher e deficiência? 

As mulheres com deficiência no Brasil representam 26,5% da população. Ou seja: 25.800.681! Tá, 26 milhões. E que frequentemente somos vistas em nossa condição de deficiência, quase sempre dissociadas da nossa condição de mulher. É como se a deficiência se sobrepusesse ao gênero, como se o “ser mulher” entrasse como pormenor no nosso “corpo diferente”. Praticar a sororidade com as mulheres com deficiência é um pedido que faço para todos que me leem.

Sugestão para o dia 8 de março

Este vídeo pode te interessar

Trouxe para a coluna esta palavra para que a gente possa usá-la todos os dias. No dia 8 de março, data que devemos reforçar a luta pela igualdade dos direitos das mulheres, pelo respeito a todas nós, podemos também aproveitar para rever nossas atitudes, renovar nosso vocabulário e apoiar as outras mulheres. Porque cada uma de nós vive uma luta particular todos os dias.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.