ASSINE
O cotidiano das nossas cidades, a cultura, a política, a economia e o comportamento da sociedade estão no foco da coluna, que também acompanha de perto as políticas públicas e suas consequências para os cidadãos

Pazolini pede que secretários não usem celulares da Prefeitura de Vitória

Prefeito determinou critérios mais rígidos para concessão das cerca de 400 linhas cedidas pela PMV a servidores

Vitória
Publicado em 26/01/2021 às 17h19
Atualizado em 26/01/2021 às 17h53
Pazolini usa seu próprio celular na prefeitura
Pazolini usa seu próprio celular na Prefeitura de Vitória. Crédito: Larissa Lacerda/Ales

O prefeito de Vitória, Lorenzo Pazolini (Republicanos), pediu aos seus secretários que façam como ele e abram mão dos telefones celulares institucionais. O pedido vem após a nova gestão constatar que cerca de 400 linhas de telefonia celular estavam à disposição de servidores municipais. Segundo a coluna apurou, até agora nenhum secretário solicitou o aparelho da municipalidade.

Segundo um membro do primeiro escalão da PMV, havia casos em que não se sabia sequer quem estava com o número cedido gratuitamente pela prefeitura para uso institucional.

Ao tomar conhecimento do descontrole, o prefeito determinou a definição de novos critérios para o uso dos telefones institucionais, com teto para consumo, controle rígido e garantia de fornecimento de aparelhos para serviços essenciais e unidades escolares.

Segundo a mesma fonte da Prefeitura de Vitória, outras irregularidades foram descobertas. Na Guarda Municipal, por exemplo, os veículos e os radiocomunicadores da corporação são equipados com GPS desde novembro de 2019, mas os equipamentos nunca funcionaram.

A nova gestão diz que constatou que o sistema operacional dos equipamentos não foi compatibilizado com a central da Guarda. O valor mensal do contrato é de R$ 4.743,20 - total de R$ 56.917,40 ao ano.

Atualização

26 de Janeiro de 2021 às 17:53

Em contato com a coluna, o coronel Fronzio Calheira, ex-secretário de Segurança Urbana, órgão ao qual a Guarda Municipal de Vitória é subordinada, diz que a reclamação da atual gestão não procede. Segundo ele, o sistema opera via internet e não precisa de um software específico para funcionar. "Todos os gerentes e coordenadores foram treinados para operar a comunicação da Guarda Municipal. É uma ferramenta muito importante porque monitora os veículos da Guarda, em tempo real, trazendo economia para o município. Agora, se os atuais gestores acham que esse sistema não é útil, é um direito discricionário da administração. É só rescindir o contrato", afirma Calheira. 

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.