ASSINE
O cotidiano das nossas cidades, a cultura, a política, a economia e o comportamento da sociedade estão no foco da coluna, que também acompanha de perto as políticas públicas e suas consequências para os cidadãos

“Paguei para ver e quase paguei com a vida”, diz deputado do ES que pegou Covid

Renzo Vasconcelos, que voltou a participar das sessões virtuais da Assembleia, chegou a ser removido para se tratar em São Paulo

Publicado em 13/07/2020 às 16h15
Atualizado em 13/07/2020 às 20h09
Renzo Vasconcelos chegou a ter boa parte do pulmão comprometido
Renzo Vasconcelos na sessão virtual da Assembleia: ele chegou a ter boa parte do pulmão afetada pela Covid. Crédito: Divulgação

Muito mais magro, o deputado estadual Renzo Vasconcelos (PP), que vai fazer 36 anos de idade nesta quarta-feira (15), voltou a o trabalho na Assembleia Legislativa e, na sessão virtual desta segunda-feira (13), ao mesmo tempo em que agradecia as manifestações de solidariedade e as orações dos seus colegas de plenário, fez um mea culpa: “No início, eu pensei que isso fosse uma gripezinha. Paguei para ver e infelizmente quase paguei com a própria vida”.

Na segunda parte da frase, o deputado usou uma metáfora: “Quase fui dessa pra melhor, mas Deus, que sabe o propósito, quis que eu continuasse vivo trabalhando, para ter mais empatia com as pessoas, refletir mais nossas atitudes e nossos conceitos”.

Em seguida, relatou o que passou internado em um hospital de São Paulo, para onde foi levado devido a riscos relacionados a um problema de saúde específico. Lembrando que a família de Renzo tem um hospital em Colatina, o São José, que é filantrópico e funciona como escola para os estudantes de Medicina da Unesc.

Renzo reconheceu que passou dias “muito ruins”, ficando 14 dias internado: “Precisei de cinco litros de oxigênio por minuto, saturando a 86. Fui para a UTI, o corpo começou a reagir e não precisei ser intubado”. Em seguida, agradeceu o apoio da mulher, que é médica: “Ela se arriscou, pegou o coronavírus por mim, me acompanhou no hospital o tempo inteiro”.

Sociedade Brasileira de Pneumologia considera, para uma pessoa saudável, a saturação de oxigênio acima de 95, de preferência acima de 98. Em estados gripais, é comum ficar entre 90 e 95, sem grandes preocupações, mas a saturação de 86 já desperta preocupação e requer cuidados especiais. Medir a saturação é, por exemplo, uma das ações do pessoal da saúde quando encontra alguém com sintomas e suspeita de estar com a Covid-19.

Por fim, parlamentar que tem base eleitoral em Colatina fez um alerta: “A doença não pega somente o pulmão. Eu tive 61% do pulmão atingido, mas a doença pega muito mais o psicológico, é arrasador. As orações e ligações das pessoas foram fundamentais para a minha recuperação”.

Renzo participou da sessão virtual diretamente de seu próprio gabinete na Assembleia, mas tranquilizou a todos: “Já fiz o exame, estou curado, não transmito a doença. Estou no gabinete hoje porque isso era importante para mim, eu queria ter a alegria de voltar a essa Casa de Leis”.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.