ASSINE
O cotidiano das nossas cidades, a cultura, a política, a economia e o comportamento da sociedade estão no foco da coluna, que também acompanha de perto as políticas públicas e suas consequências para os cidadãos

Deputado do ES apresenta projeto para diminuir impostos sobre bicicletas

Objetivo é reduzir o custo do veículo para o consumidor, que paga 72,3% em impostos para adquirir o bem

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 10/02/2021 às 02h00
Atualizado em 10/02/2021 às 02h01
Loja e oficina em Jardim da Penha conserta bicicletas de forma gratuita para entregadores de comida
Loja e oficina em Jardim da Penha que conserta bicicletas gratuitamente para entregadores de comida. Crédito: Thais Coelho

deputado federal Amaro Neto (Republicanos) apresentou um projeto de lei que pretende diminuir o preço das bicicletas e facilitar o acesso dos consumidores ao veículo. O PL 71/21 isenta esses bens e insumos do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e as alíquotas da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (PIS/Pasep).

Milhões de pessoas, argumenta o parlamentar, utilizam este meio de transporte para realizar atividades diárias, como ir e voltar do trabalho, da escola, fazer um passeio, se exercitar ou fazer entregas de encomendas. Além de terem se tornado veículos de trabalho, as bicicletas não poluem e não provocam engarrafamentos.

Dados da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e similares (Abraciclo) mostram que a frota brasileira de bicicletas já passa de 70 milhões. O país é o quarto maior fabricante mundial das famosas magrelas.

Estudo da rede Bicicleta para Todos indica que a tributação média sobre uma bicicleta vendida no Brasil fica em torno de 72,3%, o que dificulta o consumo e mantém uma grande parte da produção na informalidade.

“Essa alta carga tributária acaba criando um obstáculo econômico e dificulta os programas de incentivo ao uso das bicicletas, já que o preço se torna inviável para grande parte da população”, explica Amaro.

Para ele, diminuindo-se o custo de produção, o mercado vai se manter aquecido, já que muitas cidades estão se preparando para construir mais ciclovias e ciclofaixas e criando serviços para ciclistas. “Baratear o produto acaba se tornando também uma forma de combater o comércio clandestino de bicicletas roubadas”, destaca.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.