ASSINE
O cotidiano das nossas cidades, a cultura, a política, a economia e o comportamento da sociedade estão no foco da coluna, que também acompanha de perto as políticas públicas e suas consequências para os cidadãos

Defensoria do ES pede à Justiça reintegração de seminarista à Igreja

Ação também pede indenização de R$ 20 mil ao ex-estudante que foi desligado do centro de formação dos padres da Diocese de São Mateus em abril

Publicado em 25/09/2020 às 05h03
Atualizado em 25/09/2020 às 09h19
Wilson Rodrigues foi desligado do seminário de São Mateus em abril
Wilson Rodrigues foi desligado do seminário de São Mateus em abril. Crédito: Álbum pessoal

A Defensoria Pública do Estado ingressou na Justiça com uma ação de obrigação de fazer, com danos morais e tutela de urgência, para que o Seminário da Diocese de São Mateus reintegre o estudante Wilson Rodrigues Nascimento, de 20 anos. O ex-seminarista afirma ter sido expulso da instituição por se recusar a retornar às aulas presenciais no dia 22 de abril passado, durante a pandemia do novo coronavírus, conforme havia determinado o reitor do centro de formação de padres.

Ex-estudante do Seminário Maior da Diocese de São Mateus, que fica localizado na Serra, Wilson Nascimento buscou auxílio da Defensoria Pública para ter assegurado o seu direito. Segundo o ex-seminarista, em abril, a pandemia de Covid-19 estava no auge, o que, segundo ele, representava risco se houvesse o retorno às atividades presenciais.

Além disso, argumentou o ex-estudante, durante a formação muitos seminaristas vivem no centro de formação, que apresentava, naquela ocasião, alto risco de contágio entre eles, já que o local não é espaçoso o suficiente para a quantidade de alunos.

A Defensoria Pública tentou uma solução extrajudicial, mas não obteve resposta ao ofício enviado no início de junho ao padre Elder Malovini Miossi, que é reitor do seminário. Desta forma, para resguardar o direito do ex-seminarista a instituição ingressou, em 18 de setembro, com a ação na 5ª Vara Cível da Serra. Além da reintegração do estudante, a Defensoria pede que seja paga uma reparação por danos morais no valor de R$ 20 mil.

Para a defensora pública Livia Bittencourt, que acompanha o caso, o estudante foi coagido a deixar o seminário de forma arbitrária e injustificada, sofrendo constrangimento ilegal, sendo forçado deixar a instituição: “Tal situação é inadmissível, sobretudo levando em consideração o art. 5º da Constituição Federal, que reza que a “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa, senão em virtude de lei”.

Além de Wilson Nascimento, outro estudante desligado do Seminário Maior de São Mateus é Pablo Antunes, de 27 anos, que não procurou a Defensoria. 

A coluna tentou contato com o bispo de São Mateus, d.  Paulo Bosi Dal'Bó, e o reitor do seminário, padre Elder Malovini Miossi, mas não houve retorno às mensagens. Se quiserem se manifestar, o espaço está à disposição.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.