ASSINE
O cotidiano das nossas cidades, a cultura, a política, a economia e o comportamento da sociedade estão no foco da coluna, que também acompanha de perto as políticas públicas e suas consequências para os cidadãos

Auxílios emergenciais não dão para comprar nem uma cesta básica em Vitória

Mesmo juntos, benefícios concedidos pela PMV e pelo governo federal não são suficientes para adquirir os 13 itens da cesta de alimentos

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 26/03/2021 às 11h33
Atualizado em 26/03/2021 às 12h09
Itens da cesta básica no supermercado
Item da cesta básica, a carne teve aumento médio de 30% em um ano. Crédito: Fernando Madeira

Além de toda a tragédia humana, com a perda de mais de 300 mil vidas até agora, a pandemia de Covid-19 provocou inflação, aumento generalizado de preços, desemprego e fome. Feitas as contas, a dura conclusão: os auxílios emergenciais aprovados pela Prefeitura de Vitória e pelo governo federal não serão suficientes nem para a compra da cesta básica.

A PMV vai oferecer, a 2.328 famílias, um auxílio de R$ 500, pagos em duas parcelas de R$ 250. O governo federal, por sua vez, pagará o benefício em quatro parcelas, com valores de R$ 150 cada (para quem mora sozinho), ou R$ 250 (famílias em geral), ou de R$ 375 (famílias monoparentais, dirigidas por uma mulher).

Considerando que, em média, uma família poderá receber em torno de R$ 500 no município, com a soma dos auxílios, o valor não é suficiente nem para adquirir a cesta básica, cujo preço médio ficou em R$ 609,27 em fevereiro, conforme levantamento do Dieese.

Ou seja, os auxílios só seriam capazes de bancar em torno de 82% dessa cesta. Somente núcleos familiares com mulheres teriam como adquirir por completo o kit a partir da junção dos auxílios.

São 13 alimentos que compõem a cesta básica: carne, leite, feijão, arroz, farinha, batata, tomate, pão, café, banana, açúcar, óleo e manteiga.

Os dados mais recentes do Instituto Jones dos Santos Neves (IJSN) revelam que pelo menos 150 mil pessoas vivem em situação de extrema pobreza no Espírito Santo, com renda mensal inferior a R$ 145 (equivalente a 13,18% de um salário-mínimo, hoje estipulado em R$ 1.100).

O Estado também concederá auxílio à população mais carente. Nesta sexta-feira (26), às 15h, o governador Renato Casagrande vai anunciar um pacote de ajuda para cerca de 70 mil famílias.

“Quem tem fome tem pressa”, já disse o sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, há décadas. E esse alerta, por causa da tragédia da pandemia, continua válido.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.