ASSINE
O cotidiano das nossas cidades, a cultura, a política, a economia e o comportamento da sociedade estão no foco da coluna, que acompanha de perto também as políticas públicas e suas consequências para os cidadãos

Abram alas (e o bolso) para o bloco dos impostos no carnaval, gente!

Estudo do advogado tributarista capixaba Samir Nemer mostra  que, em média, o brasileiro paga 41% de tributos sobre os produtos mais consumidos durante a festa

Publicado em 23/02/2020 às 06h00
Atualizado em 23/02/2020 às 06h00
O peso dos impostos no carnaval. Crédito: Amarildo
O peso dos impostos no carnaval. Crédito: Amarildo

Carnaval é alegria, música, diversão e… impostos! A coluna não quer estragar a festa de ninguém, mas é preciso dizer: enquanto o povo brasileiro se diverte, o governo arrecada, em média 41% de tributos sobre os produtos mais consumidos nesta época do ano.

O levantamento foi, que feito pelo advogado tributarista capixaba Samir Nemer, mostra que a famosa marchinha “Ei, você aí, me dá um dinheiro aí”, nunca foi tão fiel ao que está acontecendo.

“E em se tratando do carnaval, os impostos são elevados porque a regra geral é quanto mais essencial for o produto, menos tributado será. Por isso produtos considerados supérfluos ou maléficos à saúde, como cigarros e bebidas, carregam sempre mais impostos”, explica Nemer.

NA AVENIDA, AS ALAS MAIS TRIBUTADAS

Um dos itens mais consumidos nesta festa, as bebidas, são disparadas as mais tributadas: a caipirinha tradicional (cachaça e limão), por exemplo, tem 76,66% de tributos; é seguida pelo chope, 62,20%; pela lata ou garrafa de cerveja, com 55,60%; pela lata de refrigerante, com 46,47%; e a água mineral, com 37,44%.

Segundo o especialista, o ICMS e o IPI são os impostos que mais oneram os preços das bebidas, que especialmente nesta época do ano são mais vendidas. Se a caipirinha aparece no topo dos produtos com mais impostos, na ponta de baixo vem o preservativo, com “apenas” 18,75% de impostos, com a menor carga de impostos dentre os itens pesquisados, até porque voltado à saúde pública.

Aqueles foliões que não abrem mão de sair às ruas fantasiados também contribuem com os altos índices de tributos arrecadados pelo governo: uma fantasia de tecido tem carga tributária de 36,41%, máscara de plástico, 43,93%; ou confeccionada com lantejoulas, 42,71%; o apito, 34,48%; colar havaiano, 45,96%; o spray de espuma, 45,94% e o confete, 43,83%.

OS IMPOSTOS VOAM JUNTOS

Vai curtir uma viagem? Na passagem aérea estão embutidos 22,32% de impostos enquanto o preço da hospedagem fica em torno dos 29,5%. E nem a praia escapa: são 44% de impostos nos óculos de sol e 37% de impostos no guarda-sol.

O especialista lembra ainda que o sistema tributário brasileiro é altamente regressivo, pois foca em impostos sobre consumo e não sobre renda ou propriedade, trazendo maior impacto proporcional sobre os mais pobres da população.

Em resumo: a gente brinca durante quatro, mas quem se diverte de verdade são os cofre$ do governo. De qualquer forma, viva o carnaval!

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.