ASSINE
A coluna traz uma análise do mercado automotivo, com tendências do segmento, panorama, dicas e orientações. Tem como público-alvo o cliente que compra carro, quer trocar de veículo ou quer tirar dúvida sobre a manutenção desse bem, além de leitores apaixonados pelo tema. O perfil nas redes sociais é @gabrieldeoliveirapersonalcar

Como saber quanto vale seu carro usado ou seminovo

Saber quanto custa um automóvel vai muito além do que olhar um único valor num site ou app. Vários fatores precisam ser considerados como tipo de uso e quilometragem percorrida

Vitória
Publicado em 05/05/2022 às 01h59
Além do modelo do veículo, ano de modelo e versão, existem outros aspectos fundamentais para considerar na hora de precificar um automóvel.
Além do modelo do veículo, ano de modelo e versão, existem outros aspectos fundamentais para considerar na hora de precificar um automóvel. Crédito: Shutterstock

Na minha última coluna falei sobre a tabela Fipe. Contei sua origem e sua principal função no mercado que é servir como valor base para arrecadação do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) pelos estados.

Mas se a principal função da tabela Fipe, que é a mais conhecida no mercado, é para servir como base para arrecadação do IPVA, como você vai calcular o preço do seu carro?

É sobre esse assunto que abordo hoje.

É importante ficar esclarecido que eu não estou dizendo para abandonar a tabela Fipe e desconsiderá-la a todo custo. Na verdade, minha orientação é para não usá-la como principal fonte de pesquisa.

Saber quanto vale um automóvel vai muito além do que olhar um único valor num site ou app. Vários fatores precisam ser considerados que a Fipe não leva em conta. São eles:

  • Tipo de uso (carro de locadora, trabalho, etc.);
  • Mercado local (picapes, por exemplo, são supervalorizadas nas regiões Centro Oeste e Norte do país);
  • Originalidade do veículo (o carro já foi batido, retocado ou tem sua pintura 100% original?);
  • Quilometragem do veículo;
  • Manutenções;
  • Se o veículo em questão está sendo negociado por uma revenda ou por pessoa física;
  • Quantidade de donos.

Perceba que, além do modelo do veículo, ano de modelo e versão, existem outros aspectos fundamentais para considerar na hora de precificar um automóvel.

O primeiro aspecto que você precisa saber na hora de calcular o preço do seu carro ou para checar o valor anunciado do carro que você deseja comprar é que o que sempre vale é o ano de modelo e nunca o ano de fabricação.

Já vi revendedores mal intencionados avaliarem carro de cliente considerando o ano de fabricação. Isso não tem o menor cabimento por um motivo óbvio, mas que fica esquecido muitas vezes. Vou explicar para você com um exemplo bem claro que vai te ajudar a entender essa situação.

Pense no Toyota Corolla. Em 2019, o veículo estava em sua 11⁰ geração que esteve em linha de 2013 a 2019. A 12⁰ geração começou a ser produzida em 2019, porém já sendo comercializada no mercado brasileiro o modelo 2020. Ou seja, as primeiras unidades do Corolla em sua 12⁰ geração eram 2019 (ano de fabricação)/2020 (ano modelo).

Toyota Corolla 11ª geração.
Toyota Corolla 11ª geração. Crédito: Gabriel de Oliveira

Agora é a parte mais importante para você entender: se um Corolla 2019/2019 é da 11⁰ primeira geração e um Corolla 2019/2020 é da 12⁰ geração, isto é, modelos completamente diferentes, como os dois podem ser precificados da mesma maneira, visto que são do mesmo ano de fabricação, porém de modelos distintos?

É simples: não podem ter o mesmo preço de mercado já que o que vale é sempre o ano de modelo e nunca o ano de fabricação.

Toyota Corolla 12º geração
Toyota Corolla 12ª geração. Crédito: Toyota/Divulgação

Entendida essa situação de ano de fabricação/modelo, vamos falar sobre as fontes de pesquisa. Os principais sites para buscar preço de carros são três: OLX, Web Motors e Mercado Livre.

É importante você considerar as mesmas características do veículo em questão quando for fazer essa pesquisa. O recomendado é fazer uma média desses carros anunciados com a mesma média de quilometragem e da mesma versão. Dessa maneira, você tem uma base de quanto vale o veículo que está pesquisando.

Caso você ainda queira ter um norte de alguma tabela, temos a tabela KBB que é mais uma ferramenta. A partir dela é possível visualizar o preço dos automóveis sem você precisar fazer uma média. Nesse caso, você terá a opção de colocar o estado geral do carro, se a negociação é de loja para particular, particular para particular ou particular para loja. Além disso, a plataforma considera também a quilometragem do veículo a ser pesquisado.

Contudo, é importante destacar que para que você tenha uma média de preço mais próxima da realidade do mercado é fundamental você fazer sua própria pesquisa nos sites de vendas, inclusive considerando a região em que o veículo  está.

Enfim, esses são os passos para que você saiba efetivamente quanto vale um carro usado ou seminovo. Espero que tenha gostado do conteúdo. Até semana que vem!

Este vídeo pode te interessar

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais
carros Mercado Automotivo Seminovo Carro Usado

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.