ASSINE
Colunista de Esportes

Recomeço: Larissa e Lili encaram novo desafio no vôlei de praia

Longe das quadras desde 2018, capixabas jogarão juntas pela primeira vez em suas carreiras. Filho das atletas, o pequeno Gael, também motivou a dupla, que garante viver um momento especial

Publicado em 10/03/2020 às 16h04
Larissa e Lili vão atuar juntas nas quadras pela primeira vez. Crédito: Arquivo Pessoal
Larissa e Lili vão atuar juntas nas quadras pela primeira vez. Crédito: Arquivo Pessoal

“As coisas acontecem no tempo certo. Cada uma tinha suas equipes, parcerias e objetivos. Agora que ela (Larissa) estava parada e eu também pela gravidez, resolvemos recomeçar juntas”, com essa declaração a jogadora de vôlei de praia Lili definiu o início de mais um desafio em sua carreira. Ao lado da esposa Larissa, medalhista olímpica em Londres-2012 e que estava longe das quadras desde 2018, ela está de volta ao esporte. Recentemente, as duas capixabas anunciaram que a parceria de vida agora também será estendida às areias, onde a dupla terá Ricardo, como técnico. 

O retorno aos treinos acontece quatro meses após o nascimento de Gael, que veio ao mundo no fim do mês de outubro. Realização de vida das atletas, o filho também incentivou o novo momento da dupla. “Larissa tinha resolvido parar em 2018, mas como ganhou um torcedor especial, resolveu jogar por mais um tempo. Eu também estou parada pela gravidez desde final de 2018. Estamos felizes em retornar às quadras como mães-atletas. É um momento muito especial, contou Lili. 

O tempo fora da quadra também cobra um preço. Mesmo se tratando de um momento único na vida das atletas, elas sabem que esse início será um pouco mais difícil por ter que recuperar a forma física ideal e ritmo de jogo, mas nada melhor que ter muita experiência no esporte para saber os atalhos para acelerar esse processo. Aos 37 anos, Larissa acumula dezenas de títulos e premiações individuais em sua carreira, já conquistou bronze olímpico, Campeonato Mundial, Circuito Mundial, Pan e sete circuitos brasileiros. Lili,32 anos, também tem muitas conquistas. E isso sem falar do técnico Ricardo, que é dono de três medalhas olímpicas: prata em Sidney-2000, ouro em Atenas-2004 e bronze em Pequim-2008. 

Lili e Larissa curtem o pequeno Gael, que nasceu em outubro do ano passado. Crédito: Arquivo Pessoal
Lili e Larissa curtem o pequeno Gael, que nasceu em outubro do ano passado. Crédito: Arquivo Pessoal

Além do currículo, o entrosamento construído no relacionamento pode fazer a diferença dentro de quadra.Lili garante que é uma parceria forte, que não está livre de cobranças, mas tudo feito com muito amor e respeito. “A sintonia nos treinos está muito boa. As cobranças são naturais por parte das duas. Mas sempre com o mesmo respeito que temos fora da quadra. A admiração e o amor que temos uma pela outra faz com que a gente tenha ainda mais motivação para se ajudar”, pontuou. 

A princípio, Larissa e Lili pensam na busca do melhor condicionamento físico. Quando elas se sentirem prontas para atuar devem disputar torneios no Estados Unidos. O Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia não está descartado, mas por enquanto não é uma das prioridades da dupla.

esportes Vôlei de praia

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.