ASSINE
Aquiles Reis é músico e vocalista do MPB4. Nascido em Niterói, em 1948, viu a música correr em suas veias em 1965, quando o grupo se profissionalizou. Há quinze anos Aquiles passou a escrever sobre música em jornais. Neste mesmo período, lançou o livro "O Gogó de Aquiles" (Editora A Girafa)

A força da criatividade de Cássio Gava em "Quatro Paredes"

Disco é repleto de emoção, originalidade e musicalidade de um compositor contemporâneo

Publicado em 17/02/2021 às 17h43
Atualizado em 17/02/2021 às 17h43
O músico Cássio Gava
O músico Cássio Gava. Crédito: Facebook/Cassio Gava

Hoje é hora de Quatro Paredes (independente – disponível nos aplicativos de música), o quarto CD do compositor e cantor Cássio Gava... confesso que eu pouco sabia do seu trabalho.

Recorri ao release. Dentre muitas outros, lá eu encontrei os quatro poemas escritos por Aldir Blanc, em 1978: “Árias Para Folhas de Fícus”, parceria do saudoso Aldir com Gava. Com a participação especial da cantora Márcia Salomón, Gava os gravou em 2012. Desde então, a parceria pareceu “hibernar”. Como se a emoção a protegesse e, também, aos quatro movimentos da Ária: “Desencontro Marcado”, “Lamas”, “Você” e “Ave Cerva”.

Com o ar puro envolvendo a parceria, desde a primeira gravação até os dias de hoje, Gava pediu autorização a Aldir para relançar a obra. E a autorização veio num e-mail, um dia antes de Aldir ser internado com a Covid-19 – de onde não sairia mais.

Sabedor de que “o show de todo artista tem que continuar”, Gava prosseguiu: “Os arranjos foram escritos por mim para uma formação popular: Sidnei Ishara (baixo elétrico), Roberto Gava (guitarra, violão, viola caipira e cavaquinho), Rogério Cardoso e Ricko Oliveira (batera e percussão), Gabriel Gava (vocais) e Cássio Gava (programações). E para uma formação erudita: Cíntia Braga e Flávia Lodi (cello), Lúcia Leão e Fernanda Sciotti (viola de arco), Adriana Maresca, Alex Braga e Fabiana Almeida (violino), Carlão Vianna e Renato Rosa (trombone), Spyro (tuba), Fábio Rocha (trompete) e Ricardo Barros (oboé), Dom Pedro (saxes tenor e soprano, flauta, clarineta, cavaquinho e clarone), Helena Simões, Fernando Forni, Joana Mariz, Tânia Guilherme, Márcia Salomon, Kléber Albuquerque, Roberto Gava, Gabriel Gava, Daisy Cordeiro, Élio Camalle, Selene Marinho e Mário Carvalho (vocal), Roberto Gava (craviola, viola caipira, violão de sete cordas e cavaquinho), Cássia Carrascoza Bonfim (flautim e flauta), Sérgio Menardi (clarinete, flauta e sax tenor), Laura Sokolowicz e Ricardo Barros (oboé), Herrera (sax alto), Alexandre Gutierrez (trompete) e Galba (bandolim). Roberto Gava (gravação, mixagem e masterização).

“Os Olhos” (Chico César e CG) é pop, gênero com que Gava tem intimidade. Em alguns compassos sua voz vem dobrada. As cordas se destacam. Uma leve levada estimula o lance.

“Faz de Conta” (CG) tem participação de Cida Moreira. Cantando o tema nordestino, ela é fundamental no arranjo.

“Toada” (CG e Zeca Baleiro). A presença de Zeca ao lado de Gava tem a força de mil megatons pipocando juntos.

“O Dom” (CG e Luiz Tatit) é outra bela música. A ótima letra de Tatit arrebata pela voz de Gava.

E chega “Árias Para Folha de Fícus” (CG e Aldir Blanc). As letras têm a cara do Aldir. Sentindo a fortaleza do que canta, Gava nos enternece.

Assim, embebido em criatividade, o ótimo CD de Cássio Gava fecha a tampa. Ali estão a emoção, a originalidade e a musicalidade de um compositor contemporâneo, que, dentre tantas outras, tem sua parceria com Aldir Blanc preservada de hoje até o futuro.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.