ASSINE
É engenheiro de produção, cronista e colhereiro. Neste espaço, sempre às sextas-feiras, crônicas sobre a cidade e a vida em família têm destaque, assim como um olhar sobre os acontecimentos do país

Planalto treme com tramas, fatos e desdobramentos em ritmo frenético

Dentre outros fatos, CPI instalada e fora de controle do Executivo garante holofotes a senador com disposição para fazer sangrar muita gente

Publicado em 30/04/2021 às 02h00
Jair Bolsonaro e Marcelo Queiroga na 3ª Reunião do Comitê de Coordenação Nacional para Enfrentamento da Pandemia da Covid-19
Desdobramentos no Palácio do Planalto: alguns são preocupantes, outros risíveis. Crédito: Marcos Corrêa/PR

Vacinados, eu e Carol aguardamos a imunização reforçada para circular pra mais longe e conviver de perto com nossos queridos. A gravidez da caçula, agora na lista dos grupos prioritários da vacinação, e a chegada do primogênito pra matar saudades de mais de ano, somam alegrias. O texto de muitas páginas, escrito durante a pandemia, sobre o que gosto de fazer com bambu, já foi enviado para o crivo de amigos corajosos.

As notícias do mundo vegetal são ótimas: a goiabeira, carregada fora de época, mostra que é tão doidinha quanto a jabuticabeira, que produz sem parar; os cajás das redondezas proporcionam jarras de suco e paredinhas pra cachaça; e o abacateiro da vizinhança garante delícias variadas.

Enquanto isso, o Planalto treme com tramas, fatos e desdobramentos em ritmo frenético, alguns preocupantes e outros risíveis. CPI instalada e fora de controle do Executivo garante holofotes a senador com disposição para fazer sangrar muita gente.

Aliados dos potenciais sangráveis acionam a Corte Suprema na tentativa de destituir da relatoria o elemento perigoso, assinando requerimento redigido na Presidência. Fazem média e perdem tempo.

Senador filho de capitão reclama da ingratidão do presidente da Casa e faz muita gente gargalhar, ao argumentar cinicamente sobre os perigos de aglomerações durante as reuniões da Comissão. Deve estar de castigo.

Gente graúda do Palácio está preocupada com os brios e a sinceridade do general ex-ministro, diante de senadores curiosos dos seus segredos e, sobretudo, irritados com o que venha a dizer na Comissão. Este já está na história por bater continências sistemáticas.

Ministro generalizado e jeitoso confessa diante de câmeras indiscretas que tomou vacina escondido do capitão. Com isso, ganha lugar na história por demonstrar que hierarquia também tem limites. Tomei, tá tomado; quem não quiser, paciência.

Ministra zoiuda faz andar a denúncia-crime de ex-superintendente federal contra ministro preferido pelo chefe por proteger madeireiros fora da lei. Plenário unido transforma em réu deputado fortão por ameaça e incitação, estabelecendo sentença exemplar.

Ministro não faz economia de bobagens ideológicas sobre origem de vírus e qualidade de vacinas chinesas, em ambiente restrito, mas recua quando a gravação vai a público. Entrará para a história como nervosinho que foi desidratado no posto.

Embaixador aperta ainda mais os olhinhos, mostra os dentes e desembainha espada mortal ao ver a tal gravação. Fez crer que componentes e vacinas podem virar pó se o desgoverno não tomar tenência. Isso, com o país inteiro aguardando desesperadamente pelo que vem da China.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.