ASSINE
Em toda a extensão do Penedo, logo acima da linha d'água existe uma faixa branca que indica onde, no passado, o nível do mar chegou a atingir. A marca ainda é um indicativo das mudanças que a própria pedra sofreu há milhares de ano
Em toda a extensão do Penedo, logo acima da linha d'água existe uma faixa branca que indica onde, no passado, o nível do mar chegou a atingir. A marca ainda é um indicativo das mudanças que a própria pedra sofreu há milhares de ano. Crédito: Fernando Madeira

Faixa branca no Penedo conta a história do "guardião" da Baía de Vitória

Marca por toda extensão da rocha, perto da linha d'água, indica as mudanças pelas quais a rocha sofreu; nela existem fatos de um passado pouco conhecido do cartão-postal

Tempo de leitura: 6min
Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 25/05/2022 às 08h42

Muito antes de ter o formato atual e sofrer com a interferência humana que mudou a geografia da região com os aterros, a Baía de Vitória já tinha o próprio "guardião". Ainda hoje, o Penedo segue oferecendo guarda para Vitória e Vila Velha, no importante canal marítimo capixaba. Posicionado na foz do Rio Aribiri, no lado canela-verde, a imponente rocha é predominantemente contemplada por quem está do lado oposto, ou seja, na Capital.

O Penedo acompanhou a transformação da ilha com os aterramentos sobre onde antes era mar, a construção do Porto de Vitória e dos terminais portuários de Peiú e Vila Velha. O rochedo, entretanto, não passou à margem das transformações. Há milhares de anos, a rocha também sofreu as próprias mudanças, a principal delas permanecendo até a atualidade.

Em uma simples caminhada pela Beira-Mar, em Vitória, nota-se uma contínua faixa branca um pouco acima da linha d'água e que se prolonga não apenas por toda a extensão do Penedo, como também prossegue em outras rochas que formam o cenário da região.

JÁ FOI MAR...

Em 2008, quando o mais completo estudo sobre o Penedo foi concluído e publicado, o geógrafo Aziz Ab'Saber contou brevemente o que ocorreu no passado para que a base da rocha fosse "pintada". Ele recorreu às marcas das variações das marés existentes para explicar que, há mais de 20 mil anos, existia ali um rio batizado com o nome de “Rio Palio de Vitória”, onde hoje se encontra a baía, em frente ao Penedo.

Neste período, o mar estava a cem metros da posição atual. Quando as temperaturas do planeta aumentaram, cerca de dez mil anos depois, o mar avançou e fez desaparecer o rio, chegando a 3,5 metros dos níveis atuais. As marcas brancas na face oeste do Penedo são referentes a este período.

O que não é citado no estudo, entretanto, são as ações sofridas pela rocha na época, sendo que elas fizeram com que a marca surgisse de fora a fora. O mestre em Oceanografia, João Koppe, detalhou que o intemperismo químico e físico sofrido pelo Penedo criou a extensa linha branca na face da pedra.

CHUMBADA NA MARCA

Onde atualmente os gigantescos navios acessam a Baía de Vitória, no passado existiu uma pesada corrente de ferro passada da pedra até o Forte São João, onde hoje é a Avenida Beira-Mar, para evitar que embarcações piratas entrassem pelo canal (veja a ilustração no vídeo acima). Os desgastados argolões onde ela era fixada ainda encontram-se presos na rocha, posicionados justamente na faixa branca do Penedo.

Uma das passagens mais marcantes neste sentido ocorreu em meados de 1590. Nesta época, o Penedo foi imprescindível para a vitória dos nativos sobre o invasor inglês Thomas Cavendish.

Curiosidades sobre o Penedo
De perto, é possível observar na faixa branca o que restou dos argolões onde era fixada a corrente estendida até o outro lado da Baía, na altura do Forte São João. Ela era passada para impedir a entrada de navios piratas. Crédito: Fernando Madeira

Antecipando-se à investida, foi organizada uma resistência, com o acúmulo de pedras próximas ao Penedo, que também dava suporte para a corrente de ferro que se estendia à margem, desde o Forte São João, na época chamado de Morro do Vigia, fechando o canal para a passagem de navios corsários (piratas).

BATALHA DE CAVENDISH

Cavendish, inesperadamente barrado, se viu prisioneiro e perdeu dezenas de homens. Os corsários ingleses pensavam que iriam surpreender, mas acabaram surpreendidos.

Quando os ingleses, comandados por Morgan, braço direito de Cavendish, tentaram desembarcar na ilha, foram atingidos por pedras e flechas.

Ao final da batalha, corpos dos ingleses ficaram espalhados pela região, sem contar os afogados levados pela correnteza. Além dos mortos, oito ingleses da tripulação de Cavendish foram feitos prisioneiros. Coube ao almirante recolher os feridos e incendiar a outra nau, pois não tinha marinheiros suficientes para prosseguir com a invasão.

LENDAS NO PENEDO

Esta passagem está contada na cartilha do Monumento Natural Morro do Penedo. Peça crucial para a elaboração do documento, Agnaldo de Moura fala com propriedade sobre a batalha e de outras lendas que pairam sobre a região.

Morando há mais de 50 anos aos pés da rocha, o colatinense é o "guardião do Penedo". Ele também guarda boas histórias de um passado nem tão distante.

Sr. Agnaldo, guardião do Penedo
Seu Agnaldo mora há mais de 50 anos ao lado do Penedo, em Vila Velha, e conhece como poucos todas as histórias, lendas e curiosidades sobre este cartão-postal capixaba. Crédito: Fernando Madeira

"Trabalhava como catraieiro, atravessando as pessoas de Paul para Vitória, e todos os marinheiros que chegavam ouviam muitas lendas. Não só do Penedo, como também da Pedra do Ovo, que fica ao lado. Ela se chama assim porque diz a lenda que, se o marinheiro atingisse a pedra com um ovo ou uma moeda, conseguiria arrumar uma namorada ou uma grande paixão aqui no Estado. Isso era contado de muito antes, então a gente incentivava os marinheiros a perguntarem. Trazíamos até aqui, eles jogavam uma moeda na pedra do ovo, com a esperança de arrumar um grande amor", conta Agnaldo.

Outra lenda que cerca o Penedo é a de que marinheiros que chegavam à região arremessavam batatas do convés em direção à marca branca da pedra. Essa oferenda era feita para evitar que os navios não fossem engolidos.

Penedo: marca, histórias, lendas do Guardião da Baía de Vitória

Penedo, em Vila Velha, visto a partir de Vitória
A marca que se prolonga por todo o Penedo foi causada devido ao intemperismo sofrido pela rocha. Fernando Madeira
Penedo, em Vila Velha, visto a partir de Vitória
Penedo, em Vila Velha, visto a partir de Vitória. Fernando Madeira
Sr. Agnaldo, guardião do Penedo
Atravessar a Baía de Vitória é rotina diária de Seu Agnaldo, guardião do Penedo. Fernando Madeira
Curiosidades sobre o Penedo
Região central de Vitória vista da prainha do Penedo. Fernando Madeira
Curiosidades sobre o Penedo
Os argolões onde se prendia a corrente até o outro lado da Baía ainda existem fixados no Penedo. Fernando Madeira
Curiosidades sobre o Penedo
Na prainha do Penedo, a sensação é de que o tempo passa mais devagar. Fernando Madeira
Curiosidades sobre o Penedo
O quintal da casa do guardião do Penedo oferece uma visão única da capital capixaba. Fernando Madeira
Sr. Agnaldo, guardião do Penedo
Por décadas, Seu Agnaldo trabalhou como catraieiro, atravessando pessoas de Paul (VV) até Vitória. Fernando Madeira
Curiosidades sobre o Penedo
Atualmente o local onde se prendia a corrente é usado por praticantes de rapel. Fernando Madeira
Curiosidades sobre o Penedo
Atualmente os barquinhos são usados em passeios turísticos na região do Penedo. Fernando Madeira
Curiosidades sobre o Penedo
Os argolões foram fixados próximo ao ano de 1590 e teve participação importante na Batalha de Cavendish . Fernando Madeira
Curiosidades sobre o Penedo
A Baía de Vitória é utilizada por muitos praticantes de esportes de remo. Fernando Madeira
Sr. Agnaldo, guardião do Penedo
O Penedo há décadas divide espaço com o intenso transporte marítimo em Vitória e Vila Velha. Fernando Madeira
Penedo, em Vila Velha, visto a partir de Vitória
Em alguns pontos, a marca branca do Penedo fica mais de 3 metros acima da linha d'água. Fernando Madeira
Penedo, em Vila Velha, visto a partir de Vitória
A linha branca indica que no passado a água já esteve muito mais alta e deixou marcas no Penedo e. Fernando Madeira
Penedo, em Vila Velha, visto a partir de Vitória
Nenhuma vegetação consegue se desenvolver no local por onde passa a linha branca no Penedo. Fernando Madeira
Nenhuma vegetação consegue se desenvolver no local por onde passa a linha branca no Penedo
Nenhuma vegetação consegue se desenvolver no local por onde passa a linha branca no Penedo
Nenhuma vegetação consegue se desenvolver no local por onde passa a linha branca no Penedo
Nenhuma vegetação consegue se desenvolver no local por onde passa a linha branca no Penedo
Nenhuma vegetação consegue se desenvolver no local por onde passa a linha branca no Penedo
Nenhuma vegetação consegue se desenvolver no local por onde passa a linha branca no Penedo
Nenhuma vegetação consegue se desenvolver no local por onde passa a linha branca no Penedo
Nenhuma vegetação consegue se desenvolver no local por onde passa a linha branca no Penedo
Nenhuma vegetação consegue se desenvolver no local por onde passa a linha branca no Penedo
Nenhuma vegetação consegue se desenvolver no local por onde passa a linha branca no Penedo
Nenhuma vegetação consegue se desenvolver no local por onde passa a linha branca no Penedo
Nenhuma vegetação consegue se desenvolver no local por onde passa a linha branca no Penedo
Nenhuma vegetação consegue se desenvolver no local por onde passa a linha branca no Penedo
Nenhuma vegetação consegue se desenvolver no local por onde passa a linha branca no Penedo
Nenhuma vegetação consegue se desenvolver no local por onde passa a linha branca no Penedo
Nenhuma vegetação consegue se desenvolver no local por onde passa a linha branca no Penedo

Estas histórias e a própria marca podem ser conferidas bem de pertinho. É possível, inclusive, chegar ao local de barco e subir a  plataforma que fica logo abaixo dos argolões. Sem a presença da corrente, atualmente a base é utilizada por praticantes de rapel que exploram o Penedo.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.