ASSINE

Mãe vai a UPA em SC com cólica e acaba dando à luz sem saber de gravidez

Ellen Lazzaretti, enfermeira obstetra e coordenadora da UPA, conta que a primeira profissional que chegou ao banheiro, alertada pelos gritos da grávida, já viu o bebê "coroando"

Publicado em 22/10/2021 às 19h21
Uma mulher descobriu que estava grávida de cerca de 8 meses ao procurar uma UPA  em Santa Catarina
A mulher descobriu que estava grávida de cerca de 8 meses ao procurar uma UPA em Santa Catarina. Crédito: Reprodução/Facebook/Prefeitura de Araranguá

Uma mulher descobriu que estava grávida de cerca de 8 meses ao procurar uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento) em Araranguá (SC) reclamando de uma suposta cólica renal.

A paciente de 43 anos deu entrada na unidade na manhã de terça-feira (19), alegando fortes dores abdominais, abaixo do ventre, e na coluna, mas destacando que tinha histórico de disfunção nos rins. Enquanto esperava pelo atendimento, ela pediu para usar o banheiro e foi surpreendida pelas fortes contrações.

Ellen Lazzaretti, enfermeira obstetra e coordenadora da UPA, conta que a primeira profissional que chegou ao banheiro, alertada pelos gritos da grávida, já viu o bebê "coroando", etapa do parto em que a parte mais larga da cabeça passa pela abertura da vagina.

Poucos segundos depois, o recém-nascido acabou caindo no vaso, sendo rapidamente socorrido. Todo o processo entre a chegada da paciente e o nascimento da criança levou cerca de 40 minutos.

O bebê, um menino, veio ao mundo pesando 2,2 kg. "Não tem como a gente saber a prévia exata do tempo de gestação porque ela não sabia que estava grávida, eu enviei as fotos do bebê para um pediatra, e ele estima que estava com 35, 36 semanas, até pelo peso dele", detalhou Ellen em entrevista à reportagem.

Ainda segundo a enfermeira obstetra, a paciente realmente não sabia que estava esperando um bebê, já que achava sentir os primeiros sintomas da menopausa e tem dois filhos mais velhos, um deles já adulto.

"Ela falou que realmente não sabia, foi uma reação de susto, porque ela trabalhou até meia-noite no emprego dela, com dores nas costas, achando realmente que era cólica renal, por isso ela veio de manhã cedinho, antes de trabalhar. Os filhos dela, um de 20 e um de 14, também ficaram bem assustados, mas é um pacotinho de surpresa bem-vindo, né?", destacou a profissional.

Depois de receberem os primeiros socorros na UPA, mãe e bebê foram encaminhados de ambulância ao Hospital Regional da cidade. Ambos passam bem, mas o recém-nascido continua internado em observação, por ser prematuro.

"Isso se chama gravidez silenciosa, que não é rara, mas é incomum. Ela tem 43 anos, estava acima do peso, entrando no período de menopausa. Menstruava, não menstruava. Então para ela, depois de 14 anos, não imaginou que estava grávida. Ela não sentiu o bebê mexer", concluiu Ellen.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.