ASSINE

Governo do AM requisita oxigênio de 11 empresas para combate à Covid

A requisição foi feita por notificação extrajudicial assinada pelo secretário estadual de Saúde do Amazonas, Marcellus José Barroso Campêlo

Publicado em 15/01/2021 às 08h24
Projeção no centro da cidade de São Paulo, SP, com os dizeres ¨Oxigênio pra Manaus¨, nesta quinta-feira (14)
Projeção no centro da cidade de São Paulo, SP, com os dizeres ¨Oxigênio pra Manaus¨, nesta quinta-feira (14). Crédito: Allison Sales/Futura Press/Folhapress

Em meio à explosão de casos de Covid-19 no Amazonas e do desabastecimento de oxigênio hospitalar, o governo local requisitou nesta quinta-feira (14) oxigênio do estoque de 11 empresas, dentre elas a Yamaha Motor e a Electrolux Brasil.

A requisição foi feita por notificação extrajudicial assinada pelo secretário estadual de Saúde do Amazonas, Marcellus José Barroso Campêlo, que pede "eventual estoque ou produção de oxigênio" para pacientes internados com a Covid-19.

Segundo o documento, se houver desobediência, "fica autorizado o imediato uso de força policial, além de outras medidas coercitivas e restrições de direito juridicamente admitidas".

Com o novo grande surto de casos de coronavírus Sars-CoV-2, a demanda por oxigênio hospitalar em estabelecimentos públicos de saúde no estado superou na terça (13) a média diária de consumo em mais de onze vezes, agravando a situação nos hospitais.

Em entrevista ao "Brasil Urgente", da TV Bandeirantes, o prefeito de Manaus, David Almeida (Avante), comentou a requisição feita pelo governo.

"Pelos contatos que fiz com o Ministério da Saúde, com o próprio ministro [Eduardo Pazuello], falei com ele duas vezes hoje. Chega uma balsa amanhã. Hoje à noite chega um Hércules da Força Aérea [Brasileira] com mais oferta de gás. O governo fez requisição administrativa de todo o gás do distrito industrial para que não aconteçam mais mortes. Eu acredito que esse socorro possa vir", afirmou.

O governador Wilson Lima (PSC) anunciou que Amazonas vai transferir pacientes de Covid-19 para outros estados, além de decretar toque de recolher a partir das 19h até as 6h. O objetivo conter a disseminação do coronavírus no estado.

O primeiro a receber pacientes do Amazonas será Goiás, com dois hospitais: o Hugo (Hospital Estadual de Urgências de Goiânia Dr. Valdemiro Cruz) e o HGG (Hospital Estadual Geral de Goiânia Dr. Alberto Rassi). Depois, será a vez de Piauí, Maranhão, Paraíba, Rio Grande do Norte e Distrito Federal.

A data e a ordem dessas transferências ainda não foram divulgadas pelo governo amazonense.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, foi até Manaus para anunciar medidas de enfrentamento ao coronavírus no Amazonas. O governador Wilson Lima (PSC) pediu prioridade no envio de doses de vacina para grupos vulneráveis.

SEPULTAMENTOS

Em um mês, o número de sepultamentos em Manaus cresceu 193% em meio à explosão do número de infectados pelo coronavírus no Amazonas. No dia 6 de dezembro, por exemplo, foram registrados 31 enterros na capital, número que subiu para 91 na última terça-feira, 5.

Por causa do aumento dos casos de Covid-19, o prefeito de Manaus, David Almeida, decretou estado de emergência em Manaus pelo período de 180 dias para conter o avanço da pandemia na capital amazonense.

Na quarta-feira, foram 110 mortes por Covid-19 entre as causas de óbitos no total de sepultamentos nos cemitérios de Manaus, superando a marca das cem mortes por coronavírus registrada em maio de 2020.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.