ASSINE

Governo Bolsonaro diz que PF e militares vão fiscalizar urnas eletrônicas

Presidente da República com frequência desacredita o processo eleitoral e ameaça não reconhecer o resultado das eleições caso seja derrotado

Tempo de leitura: 3min
Publicado em 21/06/2022 às 10h29
Novas urnas eletrônicas são apresentadas
Novas urnas eletrônicas são apresentadas. Crédito: Abdias Pinheiro/SECOM/TSE

O ministro da Justiça, Anderson Torres, enviou um ofício ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Edson Fachin, em que diz que a Polícia Federal deve participar da "fiscalização e auditoria" das urnas eletrônicas nas eleições deste ano, com o objetivo de "resguardar o Estado democrático de Direito".

O ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira, tomou atitude semelhante e também disse ao TSE que os militares são "entidades fiscalizadoras do sistema eletrônico de votação".

No documento da Justiça, enviado na sexta-feira (17), Torres diz que a corporação indicará técnicos para a função e cita que os trabalhos poderão ser realizados com "desenvolvimento de programas próprios de verificação".

"O Ministério da Justiça e Segurança Pública, por intermédio da Polícia Federal, com esteio no art. 6º, VII, da Resolução nº 23.673/2021 (TSE), participará de todas as etapas do processo de fiscalização e auditoria atinentes ao sistema eletrônico de votação coordenado pelo Tribunal Superior Eleitoral", diz o ofício assinado por Torres.

O ministro afirma ainda que a PF atuará "em todas as fases" do "processo de fiscalização e auditoria", incluindo os "sistemas e programas computacionais eleitorais empregados no escrutínio".

O presidente Jair Bolsonaro (PL) faz frequentemente insinuações golpistas e ataca as urnas eletrônicas, muitas vezes com base em mentiras. Ele já disse que, caso o pleito deste ano não seja "limpo", não haverá eleições.

Em outra frente, mais uma vez sem apresentar provas ou indícios para isso, Bolsonaro sistematicamente questiona a segurança do sistema eletrônico de votação e acusa a cúpula do TSE de ser parcial e de trabalhar pela vitória de seu adversário, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

A estratégia de Bolsonaro, dizem especialistas, mina a confiança no processo eleitoral e cria o risco de que o presidente não reconheça o resultado caso saia derrotado. Bolsonaro aparece em segundo lugar nas pesquisas, distante do líder, o ex-presidente Lula.

Nesta segunda-feira (20), o ministro da Defesa foi na mesma linha. Ele também enviou um ofício a Fachin em que diz que as Forças Armadas atuarão como "entidades fiscalizadoras do sistema eletrônico de votação".

De acordo com Paulo Sérgio, essa ação ocorrerá "de forma conjunta, por intermédio de uma equipe de técnicos militares, cujos nomes serão encaminhados a esse tribunal oportunamente".

Nesta segunda (20), o representante das Forças Armadas na CTE (Comissão de Transparência Eleitoral), general Heber Portella, ficou calado e com a câmera desligada durante o encontro virtual do colegiado.

A Folha de S.Paulo apurou com três pessoas que participaram da reunião que o general não apareceu em nenhum momento da reunião.

A reunião foi a primeira conjunta entre a CTE e o OTE (Observatório de Transparência das Eleições), grupo formado por instituições da sociedade civil e públicas ligadas às áreas de tecnologia, direitos humanos, democracia e ciência política.

Este vídeo pode te interessar

Veja também

A Gazeta integra o

Saiba mais
Jair Bolsonaro Eleições 2022 urna eletrônica

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.