ASSINE

CPI da Covid: filhos de Bolsonaro comandaram rede de fake news, diz relatório

Flávio, Eduardo e Carlos são apontados no parecer do senador Renan Calheiros sobre disseminação de informações falsas durante a pandemia do novo coronavírus

Publicado em 20/10/2021 às 11h35
O presidente Jair Bolsonaro com os filhos Flávio, Eduardo e Carlos
O presidente Jair Bolsonaro com os filhos Flávio, Eduardo e Carlos. Crédito: Roberto Jayme / Ascom / TSE

O relatório final da CPI da Covid, lido nesta quarta-feira (20) no Senado, tem um capítulo à parte só para falar de disseminação de informações falsas sobre a pandemia do novo coronavírus. O documento traz o presidente Jair Bolsonaro e seus três filhos, CarlosEduardo e Flávio como comandantes da rede formada para propagação de fakes news sobre uso de máscaras, vacinas e outros procedimentos para combater a disseminação da doença.

O documento diz que foram observadas verdadeiras campanhas nas redes sociais para tirar a credibilidade de estudos científicos e de especialistas. Segundo o texto, tais ações tiveram como consequências diretas o agravamento da crise sanitária no Brasil, com elevado índice de leitos hospitalares, além do aumento substancial de infecções e mortes.

Segundo o parecer, houve omissão do governo federal e de seus meios oficiais de comunicação para combater boatos e desinformação.

Relatório

CPI da Covid

"Convém explicar com mais profundidade o papel das fake news na pandemia. Elas não são apenas informações sem fundamentação que ocorrem de forma esporádica ou isolada. Ao contrário, elas compõem um arranjo complexo e sistemático que tem o objetivo de gerar engajamento em sua audiência para extrair proveito econômico ou político, utilizando, para isso, a produção de conteúdo textual ou audiovisual com caráter supostamente noticioso, divulgado tanto por meio das mídias tradicionais (jornais, revistas, televisão ou rádio), quanto pelas redes sociais na internet"

O documento ainda que constatou uma organização formada por, ao menos, cinco núcleos articulados entre si, a saber: o núcleo de comando (1), que interage diretamente com o núcleo formulador (2), núcleo político (3), núcleo de produção e disseminação das fake news (4), e núcleo de financiamento.

Relatório final da CPI da Covid que propõe indiciamento de Bolsonaro

Lorem ipsum dolor sit amet consectetur adipisicing elit. Corporis voluptates eos, exercitationem id, voluptatem ex nostrum ab sit corrupti, magni non temporibus alias rem reprehenderit quis doloremque harum aperiam similique animi culpa impedit.

Relatório

CPI da Covid

"O primeiro, mais importante, é o núcleo de comando, a cabeça da organização. Ele é formado pelo presidente da República e seus filhos que ocupam cargos políticos, a saber: o senador Flávio Bolsonaro, o deputado federal Eduardo Bolsonaro e o vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro. Esse núcleo tem a função de dirigir a organização e orientar estrategicamente as ações realizadas nos níveis inferiores da hierarquia, dando-lhes diretrizes e informando-lhes prioridades de ação"

Outra informação que o parecer traz é que o núcleo formulador atuava especialmente dentro do Palácio do Planalto. Esse núcleo ficou popularmente conhecido como Gabinete do Ódio, por ser apontado em investigações como formulador de conteúdos e distribuição aos disseminadores.

Segundo o relator, a configuração desse gabinete demonstrada nesse relatório leva em consideração os depoimentos de alguns dos seus integrantes à Polícia Federal, assim como as declarações de políticos e assessores em oitivas realizadas no âmbito de investigações em curso no Supremo Tribunal Federal (STF). 

Documento da CPI mostra o funcionamento do suposto gabinete do ódio comandando por filhos de Bolsonaro. Crédito: Reprodução/Relatório da CPI da Covid/Senado
Documento da CPI mostra o funcionamento do suposto gabinete do ódio comandando por filhos de Bolsonaro. Crédito: Reprodução/Relatório da CPI da Covid/Senado

O documento traz ainda que assessores ligados ao gabinete de Flávio Bolsonaro operavam perfis falsos para disseminar notícias enganosas e também ameaças. Ao menos seis perfis derrubados pelo Facebook, segundo o documento, eram mantidos pelo assessor Fernando Nascimento Pessoa, que atua como funcionário do senador.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.