ASSINE
Autor(a) Convidado(a)
É psicóloga clínica, especialista em terapia cognitiva comportamental e psicologia social

Quando se trata de crianças, o que não é dito também precisa ser valorizado

Ao enfrentar uma situação de violência, física ou psicológica, a criança pode se calar e se isolar. Adultos precisam estar atentos a mudanças de comportamento

Publicado em 27/07/2021 às 14h00
Durante a pandemia, houve um aumento da violência doméstica
Durante a pandemia, houve um aumento da violência doméstica. Crédito: Freepik

Durante um atendimento infantil, o que não é dito também precisa ser valorizado. A criança, muitas vezes, está tão receosa de falar o que realmente sente ou vivencia que passa a se fechar. As crianças, quando estão passando por situações de violência, costumam mudar seus comportamentos – em muitos casos, essa mudança é acentuada, a criança passa a ter atitudes violentas, pode se isolar e se mutilar como forma de punição.

Quando se fala de violência, não é apenas a física. Não podemos esquecer da violência sexual, psicológica, maus-tratos, abandono e negligência. Os adultos que participam da vida dessa criança precisam estar atentos às mudanças bruscas de comportamento e tentar deixá-la com a sensação de segurança e conforto para que possa expor o que está acontecendo.

Sabemos que, na maioria das vezes, o inimigo está dentro de casa, então os familiares precisam acreditar na fala dessa criança. Esse primeiro ponto é fundamental para promover a sensação de segurança. É importante lembrar que, segundo o artigo 4º do Estatuto da Criança e do Adolescente, é “dever da família, comunidade, sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação (...)”.

Já o artigo 245 diz que cabe ao “médico, professor ou responsável por estabelecimento de atenção à saúde e de ensino fundamental, pré-escola ou creche, de comunicar à autoridade competente os casos de que tenha conhecimento, envolvendo suspeita ou confirmação de maus-tratos contra criança ou adolescente”. Ou seja, precisamos entender que nem sempre essa criança ou adolescente conseguirá expor de forma clara o tipo de violência que está vivenciando. Cabe a nós termos esse olhar cuidadoso e buscar ajuda.

Durante a pandemia, tivemos um aumento de violência doméstica, devido ao maior tempo compartilhado entre os agredidos e agressores. Uma possibilidade de reduzir isso é denunciando. O Disque 100 é um dos principais canais de proteção a crianças e adolescentes. A denúncia pode ser anônima.

Além desse canal, os responsáveis precisam observar as mudanças comportamentais, conversar com a criança em um ambiente neutro e de forma calma dizer que quer ajudá-la, que ela está segura, que nada de ruim acontecerá com ela ou com sua mãe/pai, que você acredita no que ela está falando. Também é preciso observar se há machucados constantes, se está apresentando algum sintoma de dor ou está com comportamento de esquiva.

A denúncia pode ser feita por todos nós, não podemos nos isentar. As crianças e adolescentes precisam dos cuidados de adultos para sua sobrevivência.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais
crianca Família Psicologia Adolescência

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.