ASSINE
Autor(a) Convidado(a)
É advogada

Polarização política: caminhamos para cenário ainda pior em 2022

Atual estado no nosso país em todos os campos importantes, como saúde, economia e educação, está em ruínas. Dividir ainda mais a nossa população não é a solução

Publicado em 24/07/2021 às 10h00
Eleição de 2018 foi marcada por polarização ideológica
Eleição de 2018 foi marcada por polarização ideológica. Crédito: Amarildo

Um pouco antes das eleições de 2018, já se desenhava com mais intensidade no Brasil um cenário de polarização política entre “esquerda” e “direita”. A população que não suportava mais os cerca de 14 anos de governo do PT foi às ruas pedindo o impeachment de Dilma Rousseff.

Costumo dizer que o processo de impeachment é muito mais político do que jurídico e, talvez por isso, o atual presidente ainda esteja no poder. Sem defender quaisquer um dos lados, o que precisamos analisar no momento são os riscos de uma nova eleição polarizada.

Em um de seus discursos, o ex-presidente Lula afirma que “prefere uma eleição polarizada do que uma eleição apática”. Já parou para pensar o real motivo dessa afirmação?

A antiga rixa entre direita e esquerda fomenta discursos odiosos e polarizados, trazendo destaque para os extremos. Todos os holofotes sempre recaem sobre os discursos do atual presidente Jair Bolsonaro e, de outro lado, nas falas do futuro candidato à presidência em 2022, Luiz Inácio Lula da Silva. É uma verdadeira relação de simbiose. Sem terem um ao outro, toda a razão de existirem se perde.

Essa espécie de devoção dos eleitores de Lula e Bolsonaro me remete aos tempos da faculdade, onde estudei sobre a dominação carismática. Em breve síntese, esse tipo de dominação é uma afeição à pessoa e não ao cargo que ela ocupa, é realmente uma espécie de dominação cega, intensa e, até diria, passional.

Com a proximidade das eleições, devemos ter cautela ao analisarmos os possíveis candidatos, retirando os holofotes dos dois polos e observando outros possíveis candidatos. O atual estado no nosso país em todos os campos importantes, como saúde, economia, educação e segurança, está em ruínas. Dividir ainda mais a nossa população, de longe, não é a solução do problema.

Sem uma eleição polarizada, com a população brasileira aberta a outras opções, nem Bolsonaro e nem Lula tem chances de se eleger e talvez o Brasil encontre uma luz no fim do túnel.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.