ASSINE
Autor(a) Convidado(a)
É economista

Economia: a conta da pandemia chegou. Quem vai pagar?

Inflação pandêmica gera alerta no mundo inteiro. Preços cada vez mais crescentes pesam nos custos do atacado, do varejo e afetam o poder de compra da população

Publicado em 26/10/2021 às 02h00
Pandemia e economia
A pergunta crucial é: por que os preços estão aumentando sem parar nesse período de pandemia?. Crédito: Mateus Andre/user3802032/Freepik

Quando chega o final do mês, mal dá para sentir o dinheiro na conta. Pagamos despesas com transporte, energia, telefone, alimentação, combustível, etc. O preço dos produtos aumentou? É claro que sim. Mas, antes de culpar governo A ou B, vale constatar que esse problema é mundial, não apenas no Brasil.

Essa inflação pandêmica gera alerta no mundo inteiro. Preços cada vez mais crescentes pesam nos custos do atacado, do varejo e afetam o poder de compra da população. Para se ter ideia, a inflação no acumulado de 12 meses na Argentina, calculado até o mês de julho, chegou a 51,8%. No Haiti foi de 17,9%; Brasil de 9,0%; Uruguai 7,3%; Chile 4,5%; México 5,8%.

Enquanto isso, nos países desenvolvidos, como Estados Unidos, foi pouco acima de 5,0% a maior inflação do país registrada em 12 anos. No Reino Unido, a inflação bateu em 3,2%, a maior dos últimos 6 anos.

A pergunta crucial é: por que os preços estão aumentando sem parar nesse período de pandemia? O motivo principal é que houve uma interrupção na cadeia produtiva no período mais intenso da pandemia. Concomitante a isso, o governo federal injetou mais dinheiro na economia, justamente para manter o poder aquisitivo da população. Mas a interrupção da cadeia produtiva (produção) mantendo o poder aquisitivo, gera inevitavelmente uma crise inflacionária, com a consequência do aumento dos preços.

Nosso problema de inflação e crescimento não tem relação com a demanda. Pelo contrário, a demanda continua, entretanto, a oferta diminuiu. No começo da pandemia, as empresas mandaram os trabalhadores para casa e demitiram muita gente, enquanto isso o governo adotou uma política fiscal expansionista agressiva de transferência de renda, necessária inclusive, caso contrário teríamos brasileiros morrendo de fome. Agora a conta chegou, e adivinha quem vai pagar? Nós mesmos.

Este vídeo pode te interessar

Sem entrar no mérito se essa política fiscal foi correta ou não, mas a política do “fique em casa, a economia a gente vê depois” foi responsável pela inflação, isso é evidente. Também não podemos negar que a saúde faz parte da economia. Pessoas doentes e mortos não consomem. A economia é consolidada com pessoas saudáveis e com renda, não se resumindo apenas a mercado financeiro.

Este texto não traduz, necessariamente, a opinião de A Gazeta.

A Gazeta integra o

Saiba mais

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.