ASSINE

Sarna humana: conheça os sintomas da doença e tratamento

Inúmeros casos da doença vêm sendo registrados em Praia Grande, no litoral paulista. O tratamento pode variar de loções e cremes, a uso de medicações orais.

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 25/05/2021 às 17h43
Mulher coçando
A sarna se manifesta principalmente através da coceira, que geralmente é pior a noite. Crédito: Shutterstock

A escabiose, também conhecida como sarna humana, tem preocupado moradores da Praia Grande, no litoral paulista. Inúmeros casos da doença vêm sendo registrados na cidade. Alguns, inclusive, precisam de internação. A empresária Patrícia Ogna Patrali, criou um perfil no Instagram chamado @pginvisivel para auxiliar os moradores com a ajuda de amigos médicos.

A dermatologista Letícia Bortolini, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica, explica que a sarna humana é uma doença contagiosa causada pelo ácaro Sarcoptes scabiei, variante hominis, transmitida apenas entre humanos por contato pessoal, que não tem preferência por idade, raça ou sexo.

"Alguns estudos demonstram que, geralmente, a sarna é introduzida no meio doméstico por crianças de idade escolar, na maioria meninas, e a principal fonte de contato foram parentes ou amigos que não residem juntos, e a escola não teria grande importância no ciclo de contaminação", conta.

A transmissão ocorre pelo contato entre as pessoas, através do tato, do encostar ou ficando próximo. E a doença se manifesta principalmente através da coceira, que geralmente é pior a noite. "O início ocorre de 3 a 4 semanas após o primeiro contato, e coincide com o aparecimento de pápulas eritematosas e túneis sob a parte mais superficial da epiderme, que é onde os ácaros fêmeas se escondem para colocar os ovos. Quando reinfecção, o aparecimento dos sintomas é imediato", diz Letícia Bortolini.

A dermatologista Karina Mazzini,  membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, explica que, para que ocorra a transmissão, é necessário um contato prolongado com pessoas contaminadas, ou objetos contaminados que possam ser compartilhados. "Após 30 dias da contaminação, é possível ver os ácaros na pele, o processo de maturação é de 21 dias", diz.

Karina Mazzini

Dermatologista

"As lesões na pele mais perceptíveis estão localizadas entre os dedos das mãos, nas axilas, na parte do punho que segue a palma da mão, auréolas e genitais. Escoriações na pele podem acontecer por causa da coceira intensa"

TRATAMENTO

A sarna apresenta um grau de transmissibilidade elevada pelo contato íntimo e atinge principalmente quem não mantém bons hábitos de higiene, o que inclui não trocar de roupas com frequência. "O ácaro pode permanecer viável por até 24 a 36 horas no meio ambiente, portanto, nas roupas sujas, por isso durante o tratamento pedimos sempre para lavar as roupas de uso e de banho diariamente, com água quente, e passar a ferro quente", explica a dermatologista. A médica explica que o tratamento depende da faixa etária do paciente, e pode variar de loções e cremes, a uso de medicações orais.

Letícia Bortolini

Dermatologista

"É importante refazer o tratamento depois de uma semana a 10 dias, devido ao ciclo de vida do ácaro que pode não ter sido afetado no primeiro tratamento, e será neste segundo"

Karina Mazzini explica que o tratamento é realizado com medicamentos tópicos na pele, pelos e cabelo. "Há também a opção do uso de medicamentos orais. A escolha vai depender das características da doença em cada paciente e também das suas condições gerais de saúde. O tratamento é individualizado". 

A sarna não mata. Porém, a dermatologista faz o alerta. "Ela é mais comum em pacientes imunossuprimidos, podendo aparecer até mesmo como uma forma grave chamada Sarna Norueguesa nestes pacientes, e ser mais difícil de ser eliminada, mas eles não falecerão pela sarna", diz Letícia Bortolini.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Fique bem doenca

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.