ASSINE

Julho amarelo: conheça os sintomas do câncer ósseo e os tratamentos

O Brasil registra cerca de  2.700 novos casos por ano. Estar atento aos sintomas é importante para um diagnóstico precoce que permita um tratamento mais eficaz da doença

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 26/07/2021 às 16h16
Homem com dor
Dor nos ossos, inchaço e sensibilidade na área afetada, e febre são os principais sintomas da doença. Crédito: Freepik

Um tipo de câncer silencioso e que não pode ser prevenido atinge, principalmente, as crianças e adolescentes de 10 a 19 anos: o tumor ósseo. Estar atento aos sintomas é importante para um diagnóstico precoce que permita um tratamento mais eficaz da doença. Para alertar a população, julho é considerado o mês de conscientização do câncer ósseo. 

O médico radioterapeuta Guilherme Rebello, do Instituto de Radioterapia Vitória (IRV), explica que o câncer ósseo pode ocorrer de duas formas: primária, quando o tumor surge diretamente no osso; e secundária, quando a lesão advém de metástase. "Os tumores que nascem nos ossos costumam ocorrer com maior incidência em crianças e adolescentes, e os locais mais comuns são os ossos ao redor do joelho, úmero (braço) e bacia. Já pacientes mais idosos são acometidos, na maioria dos casos, por tumor ósseo que teve origem em outro lugar (metástase) que, geralmente, é na coluna". 

Dados da Sociedade Brasileira de Cancerologia apontam que o tumor ósseo representa 2% das patologias oncológicas no Brasil, com uma incidência de 2.700 novos casos por ano. Os principais tipos são os osteossarcomas, que atingem ossos dos braços, pernas e pelve; os sarcomas de Ewing, que se desenvolvem na região pélvica, parede torácica e ossos das pernas ou braços; e os condrossarcomas, que são tumores que crescem nas células que formam a cartilagem.

Guilherme Rebello
Guilherme Rebello fala sobre o câncer ósseo. Crédito: Divulgação Hugo Boniolo

Guilherme Rebello

Médico radioterapeuta

"Infelizmente, não existem estratégias de prevenção ou exames de rastreio. Caso haja sintomas suspeitos, deve-se procurar um especialista"

DIAGNÓSTICO

Dor nos ossos, inchaço e sensibilidade na área afetada, edema (machucado), fadiga, perda de peso e febre são os principais sintomas da doença, que já podem indicar também uma lesão em nível mais avançado.

"O diagnóstico precoce é fundamental, principalmente nos tumores malignos, permitindo iniciar mais rapidamente o tratamento e ampliando as chances de cura", afirma a oncologista Juliana Rocha, da Oncomédica, do Vitória Apart Hospital.

Segundo ela, o avanço da medicina tem sido um grande aliado na luta contra esse tipo de câncer, ao permitir a observação precoce das lesões, por meio de radiografias, ultrassonografias, tomografias, ressonância magnética e petscan.

A oncologista explica que os tumores ósseos primários correspondem a cerca de 4% do total de neoplasias. "No caso dos tumores secundários, as principais origens são pulmonares, prostáticos, mamárias, renais ou intestinais”, complementa.

O tratamento, em geral, de acordo com os especialistas pode envolver cirurgia, quimioterapia e radioterapia. "Fundamental é manter acompanhamento médico de rotina e, ao perceber qualquer sintoma, procurar um serviço de sua confiança. Na Oncomédica, por exemplo, trabalhamos um tratamento integrado e multidisciplinar. Nosso objetivo é olhar o paciente e sua demanda como um todo, com abordagens terapêuticas que envolvem, por exemplo, aspectos nutricionais, psicossociais, físicos... Ter essa base e essa referência, faz toda a diferença no bem-estar do paciente e no sucesso do tratamento”, afirma.

Guilherme Rebello diz que o pilar do tratamento do tumor ósseo é a cirurgia, sendo a radioterapia ou quimioterapia reservada para casos de tumores de difícil extração ou para cuidado paliativo de metástase.

"Em lesões impossíveis de serem extraídas, a radioterapia pode levar à redução do volume tumoral, na tentativa de um melhor controle da doença. Já em quadro de metástase, é utilizada para alívio sintomático, geralmente devido às dores intensas", explica o médico.

FIQUE ATENTO AOS SINAIS

Estar atento a sinais sutis é importante no diagnóstico. Confira o que é preciso observar:

  • Dor nos ossos: a dor persistente é frequente nos pacientes com câncer ósseo. Trata-se de uma dor que não melhora com o passar do tempo e piora à noite e deve ser investigada por um especialista.

  • Inflamação: o tumor em crescimento tem severos efeitos inflamatórios, frequentemente causando um grande inchaço e sensibilidade na zona afetada, onde o câncer está presente. Se você nota que partes próximas às articulações estão inflamadas e não parecem melhorar não deixe de consultar o seu médico.

  • Fratura: os ossos que têm um tumor maligno tendem a ficar fragilizados à medida que a lesão progride. Essa redução da resistência óssea pode causar fraturas espontâneas ou com pouquíssimo trauma. Por exemplo, simplesmente estar de pé ou pressionar um osso afetado pode resultar em fratura

  • Perda de peso repentina e fadiga: uma grande perda de peso não intencional e não explicada, além de esgotamento e fadiga física e mental, sempre merecem atenção, podendo caracterizar muitas outras doenças.

  • Anemia: a anemia frequentemente indica um problema subjacente, e pode ocorre no câncer ósseo, principalmente tipos específicos.

  • Infecções frequentes: o câncer frequentemente reduz a imunidade do organismo. Além disso, o corpo fica propenso a febre, rigidez muscular e sintomas gerais similares aos da gripe, que podem deixar a pessoa suscetível a outras infecções e doenças devido à diminuição da imunidade.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Saúde Fique bem Saúde

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.