ASSINE

Abril azul: 1 em cada 100 crianças pode ser diagnosticada com autismo

O transtorno, que é caracterizado por ter vários espectros, se manifesta, principalmente, em meninos

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 16/04/2021 às 17h27
criança sozinha
A ferramenta mais importante para ajudar os pacientes portadores de autismo é a informação e a conscientização sobre essa condição. Crédito: Freepik

Considerado por muito tempo uma condição rara, o Transtorno do Espectro Autista atinge hoje uma em cada 100 crianças. Alguns estudos apontam um número ainda maior: cerca de um para cada 60.

Conscientizar sobre a condição autista é o objetivo da campanha Abril Azul. “Os estudos sobre o tema são, de certa forma, recentes e não muito divulgados, o que cria uma série de estigmas que prejudicam diagnóstico e tratamento adequado capazes de garantir avanços, trazer qualidade de vida e respeito à individualidade da criança”, considera o o pediatra Ramon Minarini, da Samp. 

“Nesse sentido, o diagnóstico precoce, o acompanhamento multiprofissional, a participação familiar e a conscientização são fundamentais para a criança”, afirma, explicando que o diagnóstico é essencialmente clínico e envolve o psicólogo, pediatra, neurologista e o psiquiatra.

O neurologista Raphael Moreira Teixeira, do Vitória Apart Hospital, esclarece que não há cura para o autismo, mas existem um conjunto de medidas que podem melhorar a qualidade de vida e o bem-estar do paciente. Entre elas, a integração social dos pacientes com as demais crianças e apoio psicológico tanto as pacientes quanto aos pais. “Algumas intervenções do ponto de vista medicamentoso pode contribuir para o controle da agitação, concentração e melhora do sono. Por último, é preciso lembrar que a ferramenta mais importante para ajudar os pacientes portadores de autismo é a informação e a conscientização sobre essa condição. Programas amplos de conscientização contribuem para a redução do preconceito, para trazer mais esclarecimento aos pais e familiares e geram inclusão social mais pertinente”, considera.

O que é importante saber

  •  A informação de que vacinas seriam responsáveis por casos de autismo é uma fake news perigosa, que ganhou repercussão. Não há nada que comprove a relação.
  • Sinais do espectro autista tendem a surgir antes da criança completar três anos. Os sintomas são muito variados, mas é importante observar se existe dificuldade de estabelecer contato interpessoal (principalmente visual); incapacidade de utilizar a fala como forma de comunicação; presença de movimentos repetitivos ou estereotipados...
  • Não há medicamentos comprovados para o autismo. Remédios podem ser prescritos em caso de problemas como agressividade, depressão e ansiedade associados, mas não há cura para o transtorno.

E depois do diagnóstico?

  • Conhecer as características do espectro autista, entender o assunto, ter a orientação de bons profissionais e um grupo de apoio (como a Associação de Amigos dos Autistas, que é uma entidade sem fins lucrativos) são de grande valia para a família que recebe o diagnóstico e busca o tratamento.
  • A orientação e o tratamento especializados deveriam ser acessíveis a todos os membros da família, e não apenas ao portador.
  • Descobrir formas de estabelecer formas de comunicação com o autista é muito importante.
  • Já se sabe que manter o mundo do portador de espectro autista organizado e dentro de um padrão é algo que contribui para seu bem-estar. Criar rotina e evitar mudanças são atitudes recomendadas.
Saúde Fique bem autismo Saúde

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.