ASSINE
Aqui você encontra tudo sobre comportamento humano, experiências de vida, tendências de comportamento, sexualidade, empoderamento feminino e muitas dicas.

Químicas contra o amor

"Entregar-se sem reservas ao outro, em quem confia, é um grande estimulante natural"

Publicado em 13/03/2020 às 15h59
Atualizado em 27/03/2020 às 20h21
"Qualquer coisa que nos desagrada deixamos de lado ou tomamos uma química qualquer" . Crédito: Pixabay

Leitores queridos, saudações! Já escrevi sobre esse tema em algum número anterior desta revista, mas recebi algumas questões sobre isso e resolvi reescrever. O tema pode ser o mesmo, mas o texto não é.

Vivemos uma época que somos estimulados a não ter frustrações, dores, desconforto. Qualquer coisa que nos desagrada deixamos de lado ou tomamos uma química qualquer. Receitada, copiada... Enfim, enfrentamos pouco o nosso reconstruir. Face a isso, sobrecarregamos nosso corpo, criamos dependências e qualquer substância traz consequências nem tanto saudáveis.

Os antidepressivos, de maneira geral, causam diminuição do desejo sexual. E na clínica psicológica percebo a influência deles em todos os usuários. Claro que problemas emocionais, conflitos, tristezas e falta de energia inibem em muitos qualquer vontade de fazer sexo, muito menos amor. Fica difícil dizer se é a medicação ou a situação emocional. Mas que o químico interfere, isso é certo.

Importante lembrar que as mulheres em tratamento psiquiátrico não têm desejo, mas como são obrigadas a lidar com seus parceiros sedentos, acabam cedendo a essa demanda sem prazer, por carinho ou obrigação marital. Nos homens, a queixa é a perda eretiva. Muitos não percebem a falta do desejo, mas a ausência da ereção, o que dificulta o tratamento e a busca adequada de sua disfunção. Tanto o homem quanto a mulher precisam conversar com o médico sobre o assunto e entre si. Precisam falar com o parceiro que necessitam de estímulos erótico, caricias mais intensas, prazerosas para obter algumas respostas. Não é só os psicotrópicos que interferem. Inibidores de apetite, drogas recreativas ilícitas, hormônios para obter músculos, drogas para crescer cabelos ou evitar a queda, assim como a menopausa e a andropausa. Tudo isso pode causar diminuição da libido.

Este vídeo pode te interessar

Por isso, é importante para os homens e mulheres - que querem e gostam de ter uma vida sexual ativa - ir a médicos com frequência, testar seus hormônios, fazer reposição se for preciso. Exercícios físicos que aumentam a vitalidade e a resistência. Não espere os sintomas aparecerem. Prevenção é tudo! E, é claro, muitas brincadeiras, fantasias, alegria entre o casal. Aproveite a tecnologia para excitar o outro em vez de ficar no instagram e esquecer quem está ao seu lado.

Quanto menos medicamentos tomarmos, mais saberemos o que acontece conosco. Uma dor de cabeça eventual não precisa de analgésico. Ela passa e pode ser um aviso de que algo não vai bem no corpo e na alma.

Fazer psicoterapia, conversar sobre si e descobrir-se nesse mundo de mudanças tão rápidas ajudam muito no processo de envelhecer com saúde e boa vida sexual. Entregar-se sem reservas ao outro, em quem confia, é um grande estimulante natural.

Sintam, desejem, toquem... E sejam felizes mesmo que seja no instante do orgasmo.

A Gazeta integra o

Saiba mais
Sexo

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.