ASSINE

Homem se recusa a usar máscara e mata policial nos Estados Unidos

John Shallerhorn, de 38 anos, tentou entrar em um jogo de basquete que ocorria em uma escola sem o equipamento de proteção individual, quando foi barrado e acabou dando tiro no peito do oficial. País teve outros casos como esse durante a pandemia

Vitória / Rede Gazeta
Publicado em 02/03/2021 às 17h37
Martinus Mitchum, policial morto em Nova Orla
Martinus Mitchum, policial morto em Nova Orla. Crédito: Tulane University/ Divulgação

Um homem de 35 anos foi preso em Nova Orleans, cidade mais populosa do Estado da Luisiana, no sudeste dos Estados Unidos, acusado de matar um policial com um tiro, após ter se recusado a usar máscara para assistir a um jogo de basquete, na noite de sexta-feira (26). A vítima, Martinus Mitchum, chegou a ser levada para um hospital da região, onde foi declarado morto.

Segundo informações do Washington Post, o autor do disparo foi identificado pela polícia como John Shallerhorn, de 38 anos. Ao chegar ao ginásio da escola de ensino médio George Washington Carver para assistir à partida, ele foi barrado por um funcionário por estar sem máscara. O equipamento é exigido pelas autoridades sanitárias em ambientes públicos, como forma de controlar o avanço da pandemia do novo coronavírus. O suspeito, então, teria dado um soco no homem. Ao ver a confusão, o policial interveio na briga e acabou baleado no peito por Shallerhorn.

Gravações de TV registraram sons de dois disparos e muita correria no ginásio. Shallerhorn foi detido na mesma hora e levado à Departamento de Polícia de Nova Orleans. Ele também é suspeito de ter cometido um assalto minutos antes de matar o policial, no estacionamento da escola, segundo um boletim de ocorrência checado polo jornal Nola.com, da Luisiana. O autor do disparo confessou o assassinato e foi mantido preso, sem direito à fiança. A escola foi fechada após o incidente, e o jogo, cancelado.

Martinus Mitchum, que era um policial lotado na Tulane University e estava cedido para a segurança do jogo de basquete, recebeu uma série de homenagens na cidade. “Acho que Mitch salvou vidas naquela noite, porque nós não sabemos o que exatamente aquele homem estava indo fazer na escola. Havia crianças lá, famílias, Por que você estaria com uma arma em uma escola?", disse um amigo da vítima, Jason Bertrand, em enrevista ao site Kxan. 

OUTROS INCIDENTES

Brigas por causa do uso de máscara terminaram em tiros em pelo menos outras três ocasiões nos Estados Unidos, desde que a pandemia foi decretada pela Organização Mundial da Saúde, em março do ano passado. Em agosto, na Pensilvânia, Adam Michael Zaborowski, 35, foi preso por tentativa de homicídio após atirar no atendente de uma tabacaria, que teria pedido a ele para colocar a peça. Segundo a CNN, ele foi preso no dia seguinte, após trocar tiros com a polícia.

Em julho, também em Nova Orleans, um homem fez vários disparos contra uma loja de conveniência, após os funcionários terem solicitado que ele colocasse a proteção. Ninguém foi ferido, e o atirador conseguiu fugir. Dias antes, no Michigan, um homem foi morto por um policial, também em um loja de conveniência, após ter esfaqueado outro cliente que pediu que ele colocasse a máscara.

Estados Unidos Estados Unidos Coronavírus Máscara de proteção facial

Se você notou alguma informação incorreta em nosso conteúdo, clique no botão e nos avise, para que possamos corrigi-la o mais rápido possível

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.