ASSINE

Arquitetura acústica ganha destaque em ambientes corporativos

Com impacto na produtividade e no conforto do espaço, a arquitetura acústica pode ajudar a melhorar ambientes corporativos e melhorar o engajamento dos funcionários dentro das empresas

Tempo de leitura: 3min
Rede Gazeta
Publicado em 13/06/2022 às 16h26
Divisores de ambientes aleatórios
Divisores de ambientes são boas opções para isolar o som. Crédito: Foto por Robson Salgado / Projeto de Patricia Penna

Quem nunca visitou um restaurante que apesar da excelente comida, era quase impossível de conversar? O barulho de talheres rangendo no prato, a movimentação da cozinha e os ruídos reverberando pelo ambiente tornavam o cenário tão caótico que não dava para aproveitar o espaço e relaxar durante a refeição.

É ainda pior quando esses problemas sonoros estão dentro de casa e o som dos vizinhos começa a vazar dentro da sala. Ou até mesmo no trabalho com o barulho de cadeiras se arrastando, conversas paralelas entre colegas e o som dos teclados que tira a concentração e deixa ainda mais difícil recuperar a linha de raciocínio.

Esses cenários estão presentes na vida de milhares de brasileiros diariamente e poderiam ser facilmente resolvidos com uma palavra famosa, mas que nem sempre é valorizada na hora dos projetos arquitetônicos: a acústica.

“Ela sempre teve relevância quando falamos de isolamento, desde empreendimentos residenciais até salas corporativas e comerciais. Mas, recentemente, vem ganhando um destaque ainda maior devido a atual preocupação das empresas com a sensação de conforto e comodidade de seus usuários e colaboradores”, explica a gestora técnica em acústica e revestimentos Andrea Bellon.

Isso porque com a pandemia muitas pessoas começaram a trabalhar de forma remota e agora com o retorno das atividades presenciais, o ambiente de trabalho corporativo precisa ser igualmente atrativo e aconchegante quanto os nossos lares.

A descoberta dessa necessidade acústica foi feita, aliás, no próprio home office. O som da reunião on-line que ecoava pela sala ou os barulhos externos que impediam de se comunicar com os colegas por videochamada, poderiam ser problemas cansativos.

Projetos corporativos que aliam design, acústica e ergonomia estão em alta, porque de acordo com a arquiteta Melissa Francani, hoje temos noção de que nós nos relacionamos e fazemos escolhas por meio do espaço.

“Não escolhemos voltar em um restaurante barulhento e com uma iluminação ruim. Então, muitas empresas estão revendo seus ambientes porque quando você dá conforto, o engajamento das pessoas aumenta, já que elas se sentem pertencentes àquele espaço. Não dá mais para desassociar a arquitetura corporativa da produtividade”, destaca.

Entretanto, engana-se quem pensa que para criar um ambiente confortável na empresa basta apenas colocar um mobiliário que se usaria dentro de casa. A arquiteta explica que o desenvolvimento de um sofá para um ambiente corporativo, por exemplo, exige medidas diferentes e materiais mais resistentes.

Ambiente corporativo com dois sofás assimétricos. Um vermelho e um rosa.
A combinação entre conforto ambiental, térmico e acústico é o que possibilita a melhora das áreas de conexão. Crédito: Projeto de Melissa Francani

“A própria ergonomia dos móveis é feita para manter o bem-estar dos trabalhadores. Isso reduz até os custos de afastamento dos empregados porque desenvolvemos ambientes para diminuir os riscos à saúde desses trabalhadores”, ressalta Melissa Francani.

Essa combinação entre conforto ambiental, térmico e acústico é o que possibilita a melhora das áreas de conexão. Para Andrea Bellon, algumas pequenas mudanças no espaço já ajudam a melhorar a absorção do som pelo ambiente. No entanto, é claro que uma ajuda profissional é sempre o mais recomendado, já que estamos falando de uma área que será utilizada com frequência.

“Hoje em dia, está muito em alta o forro ser aberto e não ter mais o modular. Entretanto, não podemos esquecer de avaliar a absorção acústica dos materiais. Recomendo a adoção de algumas divisórias entre as mesas e também observei que nos projetos de Vitória não existe o costume de usar carpete, o que já perde uma parte dessa absorção”, avalia Andrea.

Divisores de ambientes
Divisores de ambientes ajudam em reuniões presenciais ou a criar espaços mais reservados de trabalho. Crédito: Foto por André Fernandes / Projeto de Marta Aroucha e Renata Sales

De acordo com a gestora, é interessante como nos tornamos seletivos em relação aos espaços que frequentamos. Muitas pessoas se acostumaram a trabalhar remotamente, então é preciso se sentir confortável no trabalho como se estivesse dentro de casa.

Por isso, de acordo com as especialistas, unir a arquitetura acústica e corporativa é fundamental. Afinal, pensar na dispersão do som é indispensável para criar ambientes harmônicos e aconchegantes e em tempos de muita informação, manter o foco pode ser uma tarefa complicada.

Veja também

Este vídeo pode te interessar

Arquitetura acústica ganha destaque em ambientes corporativos

Cabines acústicas em ambiente corporativo
Cabines acústicas também ajudam em reuniões online e a isolar o som no ambiente. Foto por Mauricio Moreno / Projeto de Inae Mikami - IMK Arquitetura e Engenharia
Divisores de ambientes aleatórios
Divisores de ambientes são boas opções para isolar o som. Foto por Robson Salgado / Projeto de Patricia Penna
Divisores de ambientes
Divisores de ambientes ajudam em reuniões presenciais ou a criar espaços mais reservados de trabalho. Foto por André Fernandes / Projeto de Marta Aroucha e Renata Sales
Cabine para reunião com duas poltronas azuis.
A combinação entre conforto ambiental, térmico e acústico é o que possibilita a melhora das áreas de conexão. Projeto de Melissa Francani
Ambiente corporativo com dois sofás assimétricos. Um vermelho e um rosa.
Muitas pessoas se acostumaram a trabalhar remotamente, então é preciso se sentir confortável no trabalho como se estivesse dentro de casa. Projeto de Melissa Francani
Ambiente corporativo com paredes amarelas, dois sofás assimétricos, um vermelho e outro rosa no centro. No canto direito há um balanço.
Entretanto, engana-se quem pensa que para criar um ambiente confortável na empresa basta apenas colocar um mobiliário que se usaria dentro de casa. Projeto de Melissa Francani
Ambiente corporativo em open space com piso laranja e dois sofás, um azul e um cinza.
De acordo com as especialistas, unir a arquitetura acústica e corporativa é fundamental. Projeto de Melissa Francani
De acordo com as especialistas, unir a arquitetura acústica e corporativa é fundamental
De acordo com as especialistas, unir a arquitetura acústica e corporativa é fundamental
De acordo com as especialistas, unir a arquitetura acústica e corporativa é fundamental
De acordo com as especialistas, unir a arquitetura acústica e corporativa é fundamental
De acordo com as especialistas, unir a arquitetura acústica e corporativa é fundamental
De acordo com as especialistas, unir a arquitetura acústica e corporativa é fundamental
De acordo com as especialistas, unir a arquitetura acústica e corporativa é fundamental

A Gazeta integra o

Saiba mais
arquitetura decoracao imóveis Imóveis

Notou alguma informação incorreta no conteúdo de A Gazeta? Nos ajude a corrigir o mais rápido possível! Clique no botão ao lado e envie sua mensagem.

Envie sua sugestão, comentário ou crítica diretamente aos editores de A Gazeta.

Logo AG Modal Cookies

Bem-vindo

A Gazeta deseja enviar alertas sobre as principais notícias do Espírito Santo.

Para melhorar a sua navegação, A Gazeta utiliza cookies e tecnologias semelhantes como explicado em nossa Politica de Privacidade. Ao continuar navegando, você concorda com tais condições.